Retrato de mãe

Hoje apresentamos o lindíssimo poema de Maria Dolores que nos põe a refletir na infinita bondade de nosso Pai.
Deus que nos permite subtrair a culpa de nosso coração, por maior que seja; Deus que nos mostra o caminho da redenção e da corrigenda de nossos erros, que sempre cometemos em nossa vida; Deus que nos permite crescer no amor com o mais profundo autoperdão.
Deixemos invadir o nosso coração com a sensibilidade do Mestre do amor infinito, Nosso Senhor Jesus Cristo.



RETRATO DE MÃE – Maria Dolores / Chico Xavier, do livro “Momentos de Ouro”

Depois de muito tempo,

sobre os quadros sombrios do calvário.

Judas, cego no além, errava solitário…

Era triste a paisagem, o céu era nevoento…

Cansado de remorso e sofrimento,

Sentara-se a chorar…

Nisso, nobre mulher de planos superiores,

Nimbada de celestes esplendores,

Que ele não conseguia divisar,

Chega e afaga a cabeça do infeliz.

Em seguida, num tom de carinho profundo,

Quase que em oração ela diz:

– Meu filho, porque choras?

Acaso não sabeis? – replica o interpelado,

Claramente agressivo.

Sou um morto e estou vivo.

Matei-me e novamente estou de pé,

Sem consolo, sem lar, sem amor e sem fé…

Não ouvistes falar em Judas, o traidor?

Sou eu que aniquilei a vida do Senhor…

A princípio, julguei poder fazê-lo rei,

Mas apenas lhe impus, sacrifício, martírio, sangue e cruz.

E em flagelo e aflição

Eis que a minha vida agora se reduz…

Afastai-vos de mim,

Deixai-me padecer neste inferno sem fim…

Nada me pergunteis, retirai-vos senhora,

Nada sabeis da mágoa que me agita…

O assunto que lastimo é unicamente meu…

No entanto a dama calma respondeu:

– Meu filho, sei que choras, sei que lutas,

Sei a dor que causa o remorso que escutas…

Venho apenas falar-te

Que Deus é sempre amor em toda parte…

E acrescentou serena:

– A bondade de Deus jamais condena:

Venho por mãe a ti, buscando um filho amado.

Sofre com paciência a dor e a prova.

Terás em breve, uma existência nova…

Não te sintas sozinho ou desprezado!

Judas interrompeu-a e bradou, rude e pasmo:

– Mãe? Não venhais aqui com mentira e sarcasmo.

Depois de me enforcar num galho de figueira,

Para acordar na dor,

Sem mais poder fugir à vida verdadeira.

Fui procurar consolo e força de viver.

Ao pé da pobre mãe que forjara o ser !..

Ela me viu chorando e escutou meus lamentos.

Mas teve medo dos meus sofrimentos.

Expulsou-me a esconjuros,

Chamou-me monstro, por sinal

Disse que eu era

Unicamente o espírito do mal,

Intimidou-me a terrível retrocesso,

Mandando que apressasse o meu regresso

Para a zona infernal de onde eu vinha…

Ah ! Detesto lembrar a horrível mãe que eu tinha…

Não me faleis de mães, não me faleis de amor,

Sou apenas um monstro sofredor…

Inda assim – disse a dama docemente:

– Por mais recuses, não me altero,

Amo-te filho meu, amo-te e quero

Ver-te de novo a vida

Maravilhosamente revestida

De paz e luz, de fé e elevação…

Virás comigo à terra,

Perderás pouco a pouco, o ânimo violento,

Terás o coração

Nas águas de bendito esquecimento.

Numa existência de esperança,

Levar-te-ei comigo

A remansoso abrigo.

Dar-te-ei outra mãe ! Pensa e descansa !…

E Judas neste instante.

Como quem olvidasse a própria dor gigante,

Ou como quem se desgarra

De pesadelo atroz,

Perguntou: – quem sois vós?

Que me falais assim, sabendo-me traidor?

Sois divina mulher, irradiando amor,

Ou anjo celestial de quem pressinto a luz?

No entanto ela a fitá-lo frente a frente,

Respondeu simplesmente:

– Meu filho, eu sou a mãe de Jesus!!!

 

Do livro “Momentos de Ouro”

Maria Dolores (Espírito)

Francisco C. Xavier (psicografia)

Caminhando Rumo ao Autoamor.

Você certamente pode conhecer o amor por si mesmo, certamente você pode se descobrir se amando e se valorizando como uma alma única, criada especificamente para o amor.

O amor é um sentimento tão nobre, que podemos amar e ter amado sempre, desde o início da nossa criação, no entanto, não reconhecermos que fazemos parte do amor e não entendermos que o amor pede um compromisso conosco mesmo é o que mais acontece, principalmente frente a uma ignorância gigantesca que nos cerca diariamente.

Na busca pelo amor não entendemos o quanto podemos nos afastar deste sentimento especialíssimo, causando dor ao outro.

Podemos ferir e machucar pessoas de forma tão profunda, que às vezes fica difícil a reparação numa só vida e precisamos de mais de uma vida para acertarmos o desvio tão prejudicial, devido ao mal que ora causamos.

As grandes almas nos inspiram e nos ajudam muito no entendimento do caminho a ser seguido. Chico Xavier dizia: “fico triste quando alguém me ofende, mas, com certeza, eu ficaria mais triste se fosse eu o ofensor… Magoar alguém é terrível!”

Com frases sublimes como essa ampliam os nossos sentimentos rumo à nobreza, aprimoramento do caráter e da espiritualidade.

No entanto, as energias participam ativamente no amor e na mágoa.

Em conversas sobre mágoa, podemos recorrer a diversos exemplos narrados ao longo da história humana. A nenhum deles podemos criticar, pois este sentimento é abarcado pela vítima que escreve um pacto, um selo e um contrato de estar sempre enviando energias deletérias rumo ao agressor.

Neste momento é importante que percebamos o grau de influenciação que estamos nos permitindo. Tomamos haustos e nos embriagamos com a face do momento sem percebermos as horas, os dias e até os séculos em que estacionamos com este pacto escrito em nosso coração, na parte mais nobre de nosso ser, que deveria sorver somente amor e paz.

Ninguém foi mais machucado que Jesus, no entanto Ele nos pediu para nos amarmos, pois só este sentimento nos libertaria de toda maldade humana, só esse sentimento poderia proporcionar a nossa evolução rumo ao infinito.

Os nossos anjos, guias e mentores nos enviam boas vibrações diariamente e ficam demasiadamente tristes quando, em nossos arroubos, comprometemos a nossa estadia neste planeta.

Nada vale a pena programarmos neste planeta que não seja escrito com amor, tudo se torna imensamente pequeno quando entendemos o verdadeiro propósito de estarmos aqui neste momento. Não vale a pena deixarmos a nossa paz no canto e valorizarmos o orgulho como bandeira de réplica.

Paulo de Tarso, à véspera de ser decapitado, orava fervorosamente em sua cela. Um soldado romano, querendo ser debochado, disse a Paulo: “amanhã sua cabeça vai estar separada do corpo. Porque você ora, porque você canta louvores enaltecendo este Jesus? O que você pode fazer agora? O que você planeja fazer? Amanhã você estará morto!” Como Paulo era o reflexo do amor, ele respondeu compassivamente: “eu caminho para o alto.”

Hairon H. de Freitas

26/1/22

Homem cultiva jardim na garrafa que não recebe água desde 1972

Basicamente, o jardim na garrafa, por estar lacrado, conta com uma espécie própria de ecossistema e se mantém de forma autônoma.

Em 1960, o inglês David Latimer decidiu tentar criar um pequeno jardim dentro de um garrafão de vidro. Desde então, o seu jardim na garrafa, ou jardim portátil, segue verde e intensamente vivo, mesmo lacrado. Mas, o detalhe que espanta é: a última vez que Latimer molhou o a planta foi em 1972.

Foi em um domingo de páscoa de 1960 que o inglês colocou um composto de terra dentro do garrafão e plantou uma muda de Tradescantia. Basicamente, o que ele queria era encontrar utilidade para a bela garrafa, e decidiu fazer o experimento.

De forma geral, depois de 57 anos, seu jardim na garrafa segue saudável e autossuficiente. Aliás, o jardim ainda segue crescendo sozinho.

Como funciona o jardim na garrafa?

A umidade gerada pelas próprias plantas dentro da garrafa age como uma espécie de “chuva”. Por causa disso, as bactérias presentes no solo degradam as folhas que caem, liberando o gás carbônico e produzindo os nutrientes necessários. Dessa forma, o ciclo está completo.

Portanto, a garrafa funciona como uma versão micro do que acontece em todo o planeta. A diferença, contudo, é que não existe interferência humana.

Isso nos leva a seguinte reflexão: se o ser humano não interferir, a natureza simplesmente prospera com toda sua força, mesmo nos lugares mais inóspitos, pelo tempo que for.

Nos 12 primeiros anos a única coisa que entrava dentro da garrafa era luz solar, ingrediente fundamental para as plantas realizarem a fotossíntese. Em 1972, Latimer decidiu abrir a garrafa pela primeira vez, para acrescentar mais água ao pequeno ecossistema que se formava.

Matéria: Conhecimento Científico.

https://conhecimentocientifico.com/homem-cultiva-jardim-em-garrafa-que-nao-recebe-agua-desde-1972/

Minha Posse na Academia de Letras e Artes de Cabo Frio – ALACAF

Estou muito feliz por sido empossado na Academia de Letras e Artes de Cabo Frio – ALACAF, no sábado dia 13 de novembro de 2021.

Na ocasião, aconteceu o lançamento da antologia “ALACAF celebra Cabo Frio II”, da qual participo com o meu poema “Capela Nossa Senhora da Guia”.

Espero sempre contribuir com essa honrada academia!

Parabenizo a ALACAF pelo seu aniversário de quatro anos e aproveito para parabenizar Cabo Frio, pelos seus 406 anos que aconteceu na mesma data.

Fiquei muito feliz também por ter sido recebido na academia por minha esposa Luciana Rugani.

Hairon H. de Freitas

Coragem para ser Feliz!

Se algum dia iremos chorar, é importante que tenhamos sorrido muito e que tenhamos sido muito alegres.

Não nos sentimos felizes porque temos medo. Acreditamos que não vale a pena sorrir, pois um dia vamos chorar.

No mundo precisamos de coragem para viver, sorrir e ser feliz.

Jamais podemos deixar o medo nos dominar, pois o que nos faz crescer, e crescer bem, é ser feliz no presente, transmitindo um rosto alegre a quem nos vê. Isso é Amor, transmitir o bem para quem chora e para quem não consegue ter paz no coração.

Então, ser feliz é fazer o bem e transmitir esperança e conforto para o mundo.

Em algum momento, estaremos tristes e até desanimados, pois isso faz parte da energia do planeta, onde a maior parte das pessoas ainda vibra nessa faixa de sentimento. Mas, se quisermos fazer a diferença para nós mesmos, alcemos voo rumo ao equilíbrio que Deus deposita em nós.

Coragem, trabalhemos pela a felicidade!

Hairon H. de Freitas

20/5/2021

Quase nunca ouvimos Jesus.

O seu ensinamento nos diz para esquecermos a lei de talião e voltarmos o nosso pensamento e a nossa total atenção para a lei do amor.

Quando em Mateus 5:43-48 Jesus diz:

“Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?
E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.”

Infelizmente ainda temos Jesus bem longe de nossos pensamentos, pois quando somos agredidos ou insultados, nunca ou quase nunca nos lembramos de agir como ele nos recomendou. Geralmente temos Jesus em nosso imaginário, atuando como uma lenda, como um ser que existiu no planeta ou foi criado pelos sacerdotes para nos trazer ensinamentos utópicos para nosso mundo tão sofrido, carregado por uma sociedade desigual e violenta.

Entendemos claramente o que está escrito no texto acima, mas ainda não estamos dispostos a esquecer da ira que nos impulsiona para o revide que foi adotado por Moises aproximadamente a 3500 anos.

Naquele tempo a lei da reciprocidade do crime e da pena lei foi necessária, pois a sociedade ainda muito imatura, eliminaria um assassino e toda sua prole pelo crime cometido. Essa atitude absurda, era o extremo da selvageria e do barbarismo, mas ao longo dos milênios tornou se um hábito odiar a quem nos odeia, e a, nem sempre amar quem nos ama.

Assim a sociedade terrena foi evoluindo e naturalmente habituou-se a viver dentro desta condição, até que uma Luz desceu dos Céus dizendo que era tempo de mudar.

Desta forma Jesus nos revelou uma lei que contradiz a Lei Mosaica, quando ele afirma: Eu, porém, vos digo: “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;”
No Livro dos Espíritos codificado por Alan Kardec, a questão 271 aborda sobre a evolução: “O Espírito só gradativamente avança. Não lhe é dado transpor de um salto a distância que da civilização separa a barbárie e é esta uma das razões que nos mostram ser necessária a reencarnação, que verdadeiramente corresponde à Justiça de Deus.”

Deus conhece a nossa limitação, sabia que quando enviara Jesus ao planeta que a evolução não daria um salto de uma hora para outra, mas que levaria alguns milênios para que entendêssemos a lei do amor.

A lei do amor, à qual Jesus se referiu, é muito complexa, já que nem sempre compreendemos sua lógica. Como entender o pedido de orar pelos nossos inimigos, como falar bem de quem expõe nossas falhas e de nossa família, enfim, como amar os nossos inimigos? Isso soa quase impossível, basicamente é inacreditável que exista uma pessoa que aja dessa maneira num mundo tão excludente.

Mas, na verdade, estamos vivendo num momento especial, em que somos convidados a agir conforme Jesus nos recomendou.

É fácil? Não, não é, mas é o único caminho que elimina o sofrimento atroz, é o único meio de vivermos bem a Nova Era.

Não nos importa neste momento tanta ciência em nossa mente, livros que lemos, graduações e títulos, se o nosso modo de agir não condiz com a simplicidade e a humildade dos discípulos verdadeiros do bem. O momento atual é o de oportunidade de esquecermos a Lei de Talião de uma vez por todas e de nos apoiarmos nas questões trazidas por Cristo.

Não nos esqueçamos de sempre indagar como Jesus agiria em questões difíceis e complicadas pelas quais passamos. Estejamos dispostos a buscar por respostas, pois elas virão até nós de alguma forma, por um livro, por uma mensagem, por uma pessoa, ou pela intuição. Assim Deus fala conosco, basta que prestemos atenção.

Hairon H. de Freitas

1/5/2021

Mensagens de amor.

Que palavras lindas, que agrado me dá!
São perfumes que fazem em meu ar penetrar.
Vejo flores neste dia, que me vêm deleitar
Com agrado eu recebo estas frases de amar.

Mas eu coloco minh´alma, com você em meu céu
Que pureza e carinho que em ti brotam como mel
Sei que procuro e vislumbro, como o sol que clareia,
O seu rosto, presente na poesia que meu coração permeia.

Hairon H. de Freitas

18/12/2010

Mudanças necessárias, mas não percebidas.

Em nossa ignorância, quase nunca optamos por analisar, viver ou abraçar as boas mensagens como filhas do coração. Pode ser que, no futuro, sintamos pesar pela oportunidade perdida ou pela opção raivosa que, muitas vezes, adotamos ao viver de forma desequilibrada.

É incrível como, ao ler um livro que nos proporciona leveza de alma, que nos traz a certeza do valor do calor humano ou que nos propicia mudanças positivas em nossos pensamentos, não fixamos tais informações em nossa consciência, quase sempre reacionária, implacável e inquisidora. Mas, é assim nossa forma infantil de agir. Quando ainda não possuímos consciência de algo tão importante, nós o deixamos escapar da nossa atenção, pois nosso corpo mental já se encontra repleto de pensamentos estranhos ao verdadeiro propósito da vida, que é o de progredir para o que faz bem para nós e para a sociedade.

Neste exato momento, podemos escolher o que nos faz bem. No entanto, quase nunca encontramos sentido nas mudanças. Admiramos a postura dos mais adiantados, mas não acreditamos que o esforço é para todos e não apenas para os santos do equilíbrio ou para os mais evoluídos. Preferimos, então, continuar como crianças que acreditam no prejuízo e no desequilíbrio universal. Assim, constatamos tudo por nossa ótica ansiosa e imediatista, e seguimos reforçando a nossa maneira de enxergar o mundo de forma reativa a toda oportunidade de crescimento que Deus nos proporciona. Em consequência, sofremos muito com os impactos de nossa escolha.

Usando melhor nossa inteligência, poderemos despertar para a importância deste momento e não mais permitir que tudo o que se passa conosco seja como um sonho inconsciente.

Hairon H. de Freitas