Vale Quanto Pesa!


Loucura, loucura, loucura é o que está acontecendo com as pessoas que não medem esforços para colocar o dinheiro acima de tudo.
Vivem na total inconsciência e não respeitam nada que não fale no poder financeiro.
Só acreditam no ganho através da facilidade, esquecendo todos os métodos seguros para trabalhar, ganhar e proteger!
O que assistimos em Mariana-MG foi muito triste, agora volta a acontecer tudo novamente em Brumadinho-MG.
Estamos vivendo no século XXI, mas as atitudes impróprias e irresponsáveis são comparadas às da Idade da Pedra. O ser humano, sabendo precisamente o que fazer e como fazer, não o faz.
Todos os responsáveis por esta companhia sabiam de tudo o que poderia acontecer e nada fizeram para evitar. Já que sabiam que havia opção de zerar as barragens em risco, porque não o fizeram? Será porque os seres que viviam na região não eram seus parentes ou será que queriam jogar “roleta russa”, ou, quem sabe, o “balança, mas não cai”?
Com tudo isso, assistimos à morte do Rio Doce e agora do Rio Paraopeba, que é um dos principais afluentes do Rio São Francisco. Infelizmente, a morte não é só dos rios, mas há anos está chegando ao oceano, onde a profusão de vidas é muito maior e segue desde então comprometida. O mal proporcionado por esta companhia é de proporções inimagináveis, não sabemos quanto de nosso planeta foi atingido por este câncer destruidor, não sabemos por quanto tempo a terra continuará morrendo, não sabemos quantas pessoas foram atingidas e quantas continuarão sendo atingidas.
Sabemos que qualquer esforço que essa empresa venha a fazer não terá significado algum na reparação de nossa fauna, flora e de tantas pessoas que deixaram famílias. Mesmo dentro da obrigatoriedade das indenizações, qualquer feito é mínimo tendo em vistas as consequências de proporções quase nanométricas em relação aos danos ocasionados por esse desastre.
Espero que, de agora em diante, não seja permitido levar adiante projetos absurdos como estes em que, simplesmente , não se importam em descartar pessoas!
Hairon H. de Freitas.

Créditos: Imagens Jornal da Band

Anúncios