Considerações sobre o momento atual!


O momento é de provocação em todos sentidos.
Tudo que está acontecendo precisa passar pelo crivo da razão e da emoção, sem exacerbações, mas consonante a nossa postura equilibrada diante do medo da intemperança e das sensações volatizantes.
O momento não é de puro acaso, mas de um somatório de ações que já vem extrapolando o sentido da vida. O cerco veio fechando aos poucos, mas a vontade de Deus se faz presente e o convite para nossa mudança está sempre no ar começando na nossa própria consciência.
A batalha hoje não é mais no campo de guerra, mas em nosso mundo interior, no mundo onde habitamos e que materializa o cenário onde coexistimos.
Neste momento somos impulsionados a uma nova faixa de vibração que envolve o nosso universo, como se começássemos a participar de uma escola de nível superior e não soubéssemos quais matérias serão aplicadas.
Além deste novo curso este é o momento que estamos fazendo provas para conquistarmos a nova escola. Agora, em tempos de provas o professor fica em silêncio e atento, somente prestando atenção em seus pupilos. Agora, a misericórdia de Deus é infinita.
Hairon H. de Freitas

Algo sobre o momento de recolhimento que acontece em toda Terra.

O momento é de voltarmos para o coração.
O pior sentimento é o de que estamos traindo Jesus, o amado Mestre.
Precisamos buscar forças em nós, para entendermos a necessidade do momento, de participarmos da construção e da solidificação do amor em nós mesmos.
Não adianta imaginarmos uma Nova Terra, onde a tolerância, o amor, a paz e a saúde estejam reinando, se não solidificarmos estes sentimentos aqui e agora.
O momento é de difícil compreensão para todos nós que estamos sofrendo pela necessidade do recolhimento forçado, ocasião em que muitos estamos angustiados por uma diversidade de situações impostas pelo meio material e espiritual.
O amor precisa sobrepor-se nesse momento tão sensível. Precisamos ultrapassar as nossas limitações e buscar, dentro do nosso cadinho forjado pelo tempo, e que, por isso tornou-se imensamente resistente, aquela força que está escondida, envolta pelo medo e pela desesperança do instinto básico de sobrevivência, o sentimento de fraternidade que reconhece em todos os seres o irmão necessitado de atenção, de carinho e de amparo, seja ele emocional, espiritual ou material.
Nesse momento, estamos todos numa prova de fogo na qual precisamos continuar caminhando, apesar do medo, para acendermos a luz em nosso coração. Luz para brilhar um pouquinho mais em nossos pensamentos, emoções e atitudes.
Não podemos jamais nos esquecer do pedido de Jesus para todos que queiram colaborar com a obra do Pai, em Mateus 28:20, quando disse: “ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos”. Sendo assim, com o pouco de evangelho que já depositamos em nosso coração, com a esperança e a consciência de que não estamos desamparados, podemos agir de alguma forma no meio em que estamos. Temos consciência do muito que precisa ser feito, mas, dentro de nossas limitações, podemos fazer o pouco que nos cabe, como nos disse Madre Teresa de Calcutá: “O que eu faço é uma gota no meio de um oceano, mas sem ela o oceano será menor”.
Que Jesus, o amado Mestre, nos abençoe, sempre!
Hairon H. de Freitas

Dia 11/11/19 no Charitas vai acontecer lançamento duplo, com Luciana G. Rugani e Roberto Amorim


No dia 11/11/19, segunda-feira, às 18 horas, no Charitas, acontecerá o lançamento duplo de meu livro “Mar de Palavras” e do livro do poeta Roberto Amorim, “Surfando nas Letras”, ambos da Editora Foco Letras.
Será uma noite bem poética ao som de Vânia Meirelles, com piano e voz.
Um evento aberto ao público que vale a pena conferir!


Luciana Gonçalves Rugani é poetisa, natural de Belo Horizonte, porém cabo-friense de coração e também por reconhecimento oficial da câmara municipal da cidade através do Título de Cidadania Cabo-friense que lhe foi concedido. Membro fundadora da ALACAF – Academia de Letras e Artes de Cabo Frio, Luciana participou de diversas antologias, entre elas as promovidas pelo grupo “Flores Literárias” e pela Editora Foco Letras. Participou também do 4º Festival de Poesia de Lisboa, com sua poesia “O último encontro”.
A inspiração para suas poesias vem das fantasias e sonhos que Cabo Frio lhe proporciona, cidade onde, segundo ela, seu coração para sempre fez morada. Mas, a ideia primeira de escrever e deixar fluir essa inspiração e os sentimentos que dela nasceram, veio da reflexão que o filme “Sociedade dos Poetas Mortos” trouxe para sua vida. Por essa razão, Carpe Diem, expressão latina que no filme foi associada a ideia de “extrair a essência da vida”, constitui o nome original de seu blog “Cantinho das Ideias (Carpe Diem Luciana)”.
Cabo Frio e sua natureza são a fonte primária de toda a inspiração do livro “Mar de Palavras”, levando à expressão dos sentimentos na poesia e das reflexões nas crônicas. O livro nasce da ideia principal de deixar o sentimento fluir por meio da poesia, ainda que seja um simples desabafo. E as crônicas propõem reflexão, estímulo ao livre pensar. Que o mergulho nos sentimentos e reflexões deste livro possam levar o leitor a deixar fluir também em si o veio da poesia que há no interior de todo ser, que a poesia possa gerar dentro de cada um aquela vontade de extrair a essência da vida, pois nela o impossível se torna possível. Nela não há bloqueios, nem obstáculos para viver os sonhos. Na poesia, o ser se faz livre! (Luciana G. Rugani)


Nascido em Cabo Frio, em 14 de agosto de 1964, Roberto Amorim viveu sua infância em Arraial do Cabo, na Vila Industrial, onde residiu até os 18 anos de idade, quando se mudou para a cidade de Cabo Frio. Formou-se em matemática pela Ferlagos, onde também se pós- graduou-se em Análise de Sistemas. A escrita de poemas surgiu para defender a natureza e narrar suas experiências de vida.
“Surfando nas Letras” traz o poeta Roberto Amorim deslizando nas ondas da poesia e como construtor da sua própria prancha: o livro. Assim como o surfista precisa demonstrar habilidades em fazer manobras radicais, próprias da linha do surf, o autor demonstra intimidade com a natureza e com as letras, especificamente, com o mar e com a poesia. (Dra. Joyce Lima – pesquisadora, professora e poetisa).

Coisas da Vida!

 

 

 

 

Acordo tenso;
Passa o dia;
Ansiedade cresce;
Nada determinável.

Continua o dia;
Tento me explicar;
Continuo tenso;
Como parar?

Segue a tarde;
Volto a pensar;
Sentindo estranho;
Como parar?

Continua a noite;
Sigo pensando;
Algo novo;
Disciplina no ar!

Hairon H. de Freitas
29/9/19

Cora Coralina – O que é viver bem!


Uma vez, um repórter perguntou à poeta Cora Coralina o que é viver bem. Ela lhe disse:

“Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice.
E digo pra você, não pense.
Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha. Eu não digo.
Eu não digo que estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco.
É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê.
O bom é produzir sempre e não dormir de dia.
Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima.
Eu não digo nunca que estou cansada.Nada de palavra negativa.
Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica.
Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio!
Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha, não. Você acha que eu sou?
Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser.
Filha dessa abençoada terra de Goiás.
Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos.
Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo.
Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.
O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça.
Digo o que penso, com esperança.
Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.”

Cora Coralina

Falando com o coração – Amor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com Lú

O amor não acaba,
o amor só aumenta.
Experimente uma frase,
Espere mais e comente.

Seja velho, seja jovem,
Esqueça o tempo que passou.
O momento é agora,
Aproveite tudo com amor.

Não chore, não clame,
Seja firme, seja honesto.
Não viva mau seus sentimentos,
Aos restos estranhos, acalento.

Contudo o amor revigora,
Mesmo no atrapalho da hora,
Volta sempre sem demora.

O amor é sem fim,
É eterno em mim,
Consciente estou,
Quando estou com amor.

Hairon H. de Freitas
15/7/2019

Qual a melhor solução para os nossos problemas?

Onde e quando o ódio é a solução de nossos problemas ou mesmo da forçada aceitação do outro de nossas convicções ou pensamentos?
Porque aparentemente o ódio vem sendo disseminado com tanta intensidade e veemência pelas redes sociais, no convívio do lar, no trabalho, na política ou até mesmo nos templos religiosos?
Se aguçarmos as nossas antenas sobre o que parece ser um desmoronamento da nossa sociedade, notaremos que parece um imenso sim, tudo está mais claro e sendo apresentado em pratos quentes. Assistimos assuntos antes comentados somente entre quatro paredes, sendo expostos em redes sociais e argumentados ferozmente como se devessem ser aprovados na base da força e da ignorância.
No dia de ontem 10 de julho de 2019 recebi notícias pela internet sobre: a morte do jornalista famoso, Paulo Henrique Amorim e logo depois recebi outra notícia de um deputado comemorando a sua morte; recebi a notícia da votação da reforma da previdência e logo depois fiquei sabendo que o governo usou da máquina para comprar todos aqueles deputados que se posicionaram contra, caso não fossem agraciados com 40 milhões; logo depois fiquei sabendo de um morador de rua de Montes Claros que alguém ateou fogo nele e que ele acordou em chamas, ao término da leitura do jornal o Tempo fiquei sabendo que ele teve queimaduras de 2º e 3º graus. Ainda tem mais notícias e apresentações de loucuras na TV, nas revistas e nas conversas com amigos ou conhecidos.
Agora, hoje pela manhã do dia 11 de julho de 2019 assisti um vídeo de uma médica que sensibilizada pela doença de uma paciente sua, utilizou das redes sociais para passar a sua mensagem, e, disse que não temos problemas, mas sim contratempos, pois temos problemas quando não possuímos saúde, agora contratempos seriam as demais coisas que acontecem em nossa vida. Enfim, na área de oncologia ela descobriu que problemas é quando não se tem saúde. A sua paciente disse pra ela que conseguiu fazer a quimioterapia, mas o médico disse que ela estava com metástases. A médica disse pra paciente de forma consoladora, que o câncer tem cura e a paciente respondeu: o câncer tem cura, mas antes ele humilha, onde ela continuou relatando que estava muito magra e pesava menos de 40kg estava cadavérica, careca e que vomitava toda a casa, e, que enfrentava 500km em uma ambulância sucateada para fazer o tratamento, ainda assim perguntou à médica, o que fazer? Neste momento a médica com olhar fixo em sua paciente respondeu que não sabia o que dizer, mas pediu pra ela se apegar em Deus e na fé.
Todos nós somos o somatório de muitas coisas que acontecem ao logo da vida. Saber se posicionar pelo melhor nem sempre é o mais fácil, mas é sim o correto a fazer para mantermos a nossa paz.
A empatia nos faz assimilar o melhor trato que podemos ter diante de cada situação e a nossa observação se apresenta ilibada, quando um humilha e quando o outro é humilhado. Nesta vida estamos de passagem e o tempo aqui é muito breve. Precisamos fazer o que é certo, não para agradar o outro, mas, primeiramente a nós mesmos, só assim nos tornarmos pessoas menos impacientes, menos cobradoras, menos orgulhosas e menos egoístas.
Se hoje somos atingidos por algo aparentemente estrangulador e triste, não esperemos no mal, mas confraternizemos na escolha de fazermos o bem a nós mesmos. Este bem é aquele de deixamos passar, de relevarmos e que escolhamos como aquele pobre morador de rua, que recebeu de um transeunte um saco cheio de lixo e o morador de rua o encheu de flores e retribuiu ao transeunte que o perguntou: porque você me deu estas flores e o morador de rua respondeu, cada um dá o que está cheio por dentro.
Vamos montar um depósito de amor constantemente em nosso coração, pois como disse Jesus: o céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão. Mt 24:35. Desta forma algum dia ainda viveremos o amor pleno aqui na Terra, pois tudo o que Jesus nos ensinou foi sobre o amor.
Hairon H. de Freitas
11/7/2019