Refletindo sobre a atualidade.

Não sou historiador, mas, em meu pensamento, é como se passasse um filme que tivesse sido produzido no Brasil, nos últimos quatro anos.

Fico abismado ao perceber tantos seres sintonizados fanaticamente em uma só pessoa que delas consegue tragar as melhores energias, substituindo-as por: raiva, desprezo e ódio.

Parece ser uma espécie de fascinação ditada por uma mente e endossada por outras mentes, as quais acabam por contaminar todos que por elas são tocados.

Foram 4 anos de terrorismo diário, disseminado, pelo então chefe de estado brasileiro, para todos os continentes. Democratas não vislumbram golpes à democracia, em qualquer que seja o país, além do que, é sabido que todo golpe promove subjugação, principalmente dos mais pobres. Era um dia após o outro e ficávamos esperando a nova bravata que surgiria, a nova fake news que seria carreada pelo gabinete do ódio.

Foram dias de indignação e terror, já que a intenção do chefe de estado era desmoralizar o Supremo Tribunal Federal, ente responsável, constitucionalmente, pela guarda da Constituição Federal, preparando o caminho para que ele vestisse a roupa de ditador.

Felizmente, um corajoso ministro se fez presente, valendo de seus conhecimentos e de sua disposição para encarar toda a turba enlouquecida que brotava da destruição da moral e cívica tão incompreendida pelo povo.

Promoveram, a mando do escritório do ódio, o crescimento do fanatismo e da cegueira religiosa, o materialismo, a inversão de valores e o desencontro de muitas famílias.

Como pode acontecer de irmão ficar contra irmão, pai contra filha ou filho, simplesmente por uma doutrina maluca que só teve como intenção um golpe de poder em nosso país?

Não consigo encontrar explicação a não ser no apocalipse, na psicologia de Freud ou nas historias das mil e uma noites. Só sei que, em 8 de janeiro de 2023, a loucura tomou forma nos atos insanos de pessoas controladas e raivosas, que se puseram a destruir toda a representação popular construída ao longo de décadas, e a custo de muita determinação e esforço, por pessoas que sofreram na pele ao acreditarem num país democrático e livre.

Foram dias difíceis os da ditadura. Agora, assistimos ao retorno de desavisados que querem resolver qualquer dificuldade utilizando o ódio como ferramenta principal. Já conhecemos que, somente o diálogo, com respeito ao outro e às leis, pode ter êxito na promoção do entendimento entre as partes. Fora disso, é o que assistimos entre Rússia e Ucrânia, a triste destruição de um país e a separação dos povos e das famílias.

Não queiramos chegar a esse ponto, pois nesse momento as pessoas não se reconhecerão como parte do mesmo país. Serão pessoas que encontrarão nas cores os seus inimigos naturais.

Ainda não estamos livres desses políticos e pessoas promotoras do ódio, ou das inversões de valores, mas a democracia cresceu com a maioria, e as instituições que tutelam o regime penal também cresceram com o entendimento de suas tarefas junto ao povo brasileiro.

Fiquemos atentos à proteção de nossa Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Hairon H. Freitas

15/01/2023

O Amor é o motivo mais nobre para viver.

No mundo espiritual não existe a palavra mal, mas sim desequilíbrio. Toda vez que alguém deseja o mal de outra pessoa, que chega ao ponto de fazer um pedido pelo sofrimento daquela pessoa, podemos dizer que isso é uma invocação. O desejo chega a tal ponto que provoca o desequilíbrio. Logo após, vem o adoecimento pela constante vivência escura, alimentada pelo lado sombrio. É nesse momento que acontece a queda moral e física.

Certa vez perguntaram a Chico Xavier se ele tinha medo de alguma coisa. Chico respondeu: “eu tenho pavor”. Então perguntaram: “De que? De Morrer?” Ao que ele respondeu: “Não, eu tenho pavor da fera que ainda habita dentro de mim”.

O que vem a ser essa fera, senão o lado sombrio que precisa ser encarado e trabalhado intimamente, e que reside dentro daquele quartinho mais escuro e confuso que existe?

Habitualmente, muitos preferem encarar o dia a dia: muito trabalho do lado de fora, muito apego, muito medo, muita coisa material, como: carro, celular, produtos eletrônicos, computadores, etc.

Habitualmente poucos preferem encarar o dia a dia, incluindo o trabalho interior, que vigia as emoções confusas, os medos desmedidos, a raiva extrema, a volúpia insipiente, etc.

O resultado está na escolha.

O ser humano, em sua busca interior, revoga atitudes inumeráveis, construídas num passado longínquo ou recente.

A criança, quando começa sentir vergonha da birra, dá um passo na evolução da compreensão de que essa atitude tem o mesmo papel da agressão que exige, merecendo ou não, o objeto do desejo.

Assim vivem os que preferem conferir dia a dia as suas emoções, analisando-as e reconhecendo as suas consequências.

Fato é, que poucos pensam em burilar seus pensamentos e suas emoções. Agem diariamente baseados nos instintos, construídos em estágios anteriores, mas que precisam ser trabalhados na Luz da consciência.

Essa Luz transformadora nos foi apresentada pelos grandes Mestres, principalmente por Jesus, quando despertou a humanidade para o Amor, e esse vem a ser o motivo mais nobre de viver.

Hairon H. de Freitas

10/01/2023

Oração da Aliança com os Irmãos.

Elevo meu pensamento a Deus para falar aos irmãos.

Meu Deus! Nesse momento conturbado pelo qual estamos passando aqui na Terra, especialmente na terra do Cruzeiro.

Estamos, Senhor, cheios da vontade de estar com os nossos braços erguidos ao mais alto, para podermos agradecer o Vosso amor que esteve entre nós há mais de dois mil anos.

Estamos aqui, Senhor, com os braços abertos para receber a Vossa misericórdia que, com tão grande amor, nos trouxestes a maior lição de todas, que é a de amar os nossos irmãos.

Nós estamos hoje aqui, Senhor, meio confusos e brigões, estamos aturdidos e perdidos, pois esquecemos da Vossa luz e, ao apartarmos de Ti,  esquecemos de nós mesmos e esquecemos do próximo.

Senhor Jesus, misericordioso amigo, estamos aqui com o coração  medroso, raivoso, e, muitas vezes, agindo contra o bem, sem percebermos.

Senhor Jesus, amigo dos amigos, estamos precisando de muito amor no nosso planeta, estamos precisando aprender a perdoar, estamos precisando aprender, principalmente, a tolerar o nosso próximo.

Senhor Jesus, estamos em verdadeiras contendas, estamos, a todo instante, desejando o mal do próximo, estamos com raiva e praticando muita coisa ruim em nome de uma religião/politica.

Senhor Jesus, misericordioso amigo, nesse momento eu reconheço o quão preciso me amparar no Vosso infinito amor, na bondade e na alegria.

Senhor Jesus, eu reconheço tudo isso, mas jamais terei paz se não me reconciliar com o meu próximo, com meu irmão que conheço, ou que não tive a oportunidade de conhecer.

Senhor Jesus, peço-vos que abençoe o nosso Brasil, que abençoe o nosso planeta, que abençoe com o Vosso amor infinito a todos os que não se entendem e que falam línguas diferentes; que, na verdade, estão sempre divergindo com o outro, mas, apenas procurando conhecer a si próprio.

Senhor Jesus, pedimos que a Vossa falange de luz possa estar nesse momento abençoando a quem se dispõe a movimentar na direção de seu irmão, seja para abençoar, seja para ajudar, seja para esclarecer. E, aqueles outros que querem somente agredir, Senhor, que a Vossa intercessão amorosa permita que um anjo da paz ilumine os pensamentos deles para o melhor de Vosso amor.

9/11/2022

Hairon H. de Freitas

Coragem para ser Feliz!

Se algum dia iremos chorar, é importante que tenhamos sorrido muito e que tenhamos sido muito alegres.

Não nos sentimos felizes porque temos medo. Acreditamos que não vale a pena sorrir, pois um dia vamos chorar.

No mundo precisamos de coragem para viver, sorrir e ser feliz.

Jamais podemos deixar o medo nos dominar, pois o que nos faz crescer, e crescer bem, é ser feliz no presente, transmitindo um rosto alegre a quem nos vê. Isso é Amor, transmitir o bem para quem chora e para quem não consegue ter paz no coração.

Então, ser feliz é fazer o bem e transmitir esperança e conforto para o mundo.

Em algum momento, estaremos tristes e até desanimados, pois isso faz parte da energia do planeta, onde a maior parte das pessoas ainda vibra nessa faixa de sentimento. Mas, se quisermos fazer a diferença para nós mesmos, alcemos voo rumo ao equilíbrio que Deus deposita em nós.

Coragem, trabalhemos pela a felicidade!

Hairon H. de Freitas

20/5/2021

Mudanças necessárias, mas não percebidas.

Em nossa ignorância, quase nunca optamos por analisar, viver ou abraçar as boas mensagens como filhas do coração. Pode ser que, no futuro, sintamos pesar pela oportunidade perdida ou pela opção raivosa que, muitas vezes, adotamos ao viver de forma desequilibrada.

É incrível como, ao ler um livro que nos proporciona leveza de alma, que nos traz a certeza do valor do calor humano ou que nos propicia mudanças positivas em nossos pensamentos, não fixamos tais informações em nossa consciência, quase sempre reacionária, implacável e inquisidora. Mas, é assim nossa forma infantil de agir. Quando ainda não possuímos consciência de algo tão importante, nós o deixamos escapar da nossa atenção, pois nosso corpo mental já se encontra repleto de pensamentos estranhos ao verdadeiro propósito da vida, que é o de progredir para o que faz bem para nós e para a sociedade.

Neste exato momento, podemos escolher o que nos faz bem. No entanto, quase nunca encontramos sentido nas mudanças. Admiramos a postura dos mais adiantados, mas não acreditamos que o esforço é para todos e não apenas para os santos do equilíbrio ou para os mais evoluídos. Preferimos, então, continuar como crianças que acreditam no prejuízo e no desequilíbrio universal. Assim, constatamos tudo por nossa ótica ansiosa e imediatista, e seguimos reforçando a nossa maneira de enxergar o mundo de forma reativa a toda oportunidade de crescimento que Deus nos proporciona. Em consequência, sofremos muito com os impactos de nossa escolha.

Usando melhor nossa inteligência, poderemos despertar para a importância deste momento e não mais permitir que tudo o que se passa conosco seja como um sonho inconsciente.

Hairon H. de Freitas

O homem e a natureza.


O homem vive enquanto o planeta se esvai.
O homem vive, mas vive mal.
O homem na inconsciência, não se respeita;
Ao mesmo tempo não se entende,
Mas, talvez não queira entender.
O homem destrói florestas, rios e mares.
Tanta beleza pertence à natureza,
Mas no momento não vê quase em lugar algum.
É bom que o homem aprenda a comer dinheiro;
Para beber, os rios estão recheados de:
Mercúrio, arsénio e chumbo.
Doenças!
As degenerativas são as preferidas e sob medida.
O homem sobrevive, mas morre.
Morre, quando não valoriza o belo;
Morre, quando o desrespeito o impulsiona;
E morre, quando não protege o seu futuro,
Amando a natureza.

Hairon H. de Freitas
27/8/2020

Chuva de Outono!


Luzes ao céu gritam por atenção;
Relâmpagos atravessam os ares;
Estrondos e sons contínuos;
Quase sem fim.
Gotas caem espaçadas;
Num tremular de batuques;
Envolvem minh’alma;
Agradecida pelo dia.
Tarde solene e encantada;
O sol meio tímido;
O outono é o período;
Gratidão e amor!

Hairon Herbert de Freitas
19/05/2019

Novos tempos, novas medidas urgentes!


Houve um tempo em que eu achava normal inflar-me, irar-me e tornar-me rubro quando alguém me distratava, chamava minha atenção, ou me desprezava. Hoje vejo que sempre estive doente com a moléstia do orgulho. É uma doença grave, de difícil cura, pois contém uma chaga aberta. Na menor das pressões, provoca uma dor estranha, quase infinita.
Como estamos vivendo dentro dos parâmetros que adotamos como “normais” e não conhecemos, ou desacreditamos, das palavras do Mestre Jesus, continuamos enfermos e não nos colocamos disponíveis para uma mudança significativa em nossas vidas, não enxergamos ou não adotamos uma postura amorosa e exemplar, como a de nosso amado Chico Xavier, alma pura e que muito bem representou Jesus na Terra. Imaginemos Chico, quando se encontrou com a alma doente daquela mulher que lhe cuspiu no rosto. Coloquemo-nos em seu lugar: o que faríamos, senão desobedecer aos ensinamentos de Jesus? O que sairia de nosso coração, senão farpas e impropérios, ou até mesmo agressões físicas? Mas, com Chico, tudo foi diferente, pois ele estava curado dessa doença que atingiu toda sociedade terrestre. Doença estranha, que acomete todo o planeta e desabrocha em nós tendências perniciosas e próprias de um plano vibracional doentio que acabamos atraindo.
Hoje somos provocados em nossa mudança interior. Jesus estendeu o convite ao planeta, para a realização de uma mudança significativa, imperiosa para o novo momento da humanidade. Neste momento, precisamos atingir uma vibração mais elevada em nosso espírito. A Terra está deixando paulatinamente o tempo de expiações, mas, para que isso aconteça, o nosso planeta precisará produzir uma vibração mais elevada e constante. Só assim o homem não mais guerreará com outrem, a margem de tolerância se alargará e o estopim será extinto.
Em nosso trabalho de mudança, não nos encontramos sós. Tivemos, ao longo dos milênios, vários professores que trouxeram mensagens de amor e de tolerância, como: Buda, Sócrates, Maomé, Lao Tsé, Confúcio, São Francisco de Assis, Madre Teresa de Calcutá, Chico Xavier, Irmã Dulce e tantos outros que espalharam parte da semente que Jesus nos trouxe, há mais de 2.000 anos.
Estamos crescendo, espiritualmente falando. Já não somos mais crianças desenfreadas em seus desejos e descontroladas em suas emoções, não podemos ser. A hora é de acordarmos para as lições que vêm sendo apresentadas ao mundo em todos estes milênios.
A força que precisamos para a mudança não está somente em nós, mas em todos os mestres que, juntos, seguem vibrando para que nos tornemos adultos e não entremos em brigas e contendas descabidas. O orgulho, que está intrinsicamente amarrado ao medo e ao egoísmo, precisa ser estudado e entendido. Os grandes mestres nos deixaram vacinas valorosas contra ele, assim sendo, precisamos visitar o nosso centro de saúde interior e nos vacinarmos todos os dias com: bons livros, meditações, orações e cultivo de bons pensamentos.
Não temos mais tempo para sermos prolixos, não mais nos cabe. Não precisamos de provas da existência deste ou daquele mestre, nem temos mais tempo de discutirmos o sexo dos anjos. O momento exige determinação, coerência e boa vontade para mudarmos definitivamente a atmosfera de nossa nave planetária, adotando uma nova assinatura, mais amorosa e iluminada chamada Amor.
Que o Mestre Jesus nos ampare com a sua misericórdia, neste momento em que o vírus atingiu drasticamente todo planeta. Mas precisamos fazer a nossa parte, urgentemente, pois Jesus já fez a dele.
Sejamos colaboradores de Jesus, fraternalmente ajudando a todos, sem distinção. São inúmeros os necessitados, nós podemos pelo menos orar por cada um, em seu quadro atual de sofrimento.

Hairon H. de Freitas

Considerações sobre o momento atual!


O momento é de provocação em todos sentidos.
Tudo que está acontecendo precisa passar pelo crivo da razão e da emoção, sem exacerbações, mas consonante a nossa postura equilibrada diante do medo da intemperança e das sensações volatizantes.
O momento não é de puro acaso, mas de um somatório de ações que já vem extrapolando o sentido da vida. O cerco veio fechando aos poucos, mas a vontade de Deus se faz presente e o convite para nossa mudança está sempre no ar começando na nossa própria consciência.
A batalha hoje não é mais no campo de guerra, mas em nosso mundo interior, no mundo onde habitamos e que materializa o cenário onde coexistimos.
Neste momento somos impulsionados a uma nova faixa de vibração que envolve o nosso universo, como se começássemos a participar de uma escola de nível superior e não soubéssemos quais matérias serão aplicadas.
Além deste novo curso este é o momento que estamos fazendo provas para conquistarmos a nova escola. Agora, em tempos de provas o professor fica em silêncio e atento, somente prestando atenção em seus pupilos. Agora, a misericórdia de Deus é infinita.
Hairon H. de Freitas

Momento de Mudanças com Covid-19


A Causa do sofrimento da humanidade é o desligamento e o afastamento com Deus.
Somos sofredores por maldade ou por ignorância.
Somos rebeldes e não costumamos aceitar a lei de causa e efeito, não aceitamos o retorno do plantio que optamos por cultivar, através de nossos atos e pensamentos.
É incrível como nossa empatia é totalmente inconsciente e descompassada, como por exemplo: prejudicamos uma pessoa, mas, quando fazem o mesmo conosco, ficamos revoltados e dizemos aos quatro cantos que não merecemos isso e que Deus não existe.
Se não temos a capacidade de aprender com nossa inteligência e reflexão, como evoluirmos e nos aproximarmos das eternas e imutáveis Leis de Deus, senão pela dor e pelo sofrimento?
Atualmente, o que vem acontecendo de forma incisiva é um chamado para que haja maior despertamento para o que é real em nossas vidas e do que fugimos pela nossa distração com a matéria e com a busca incessante por uma aceitação social no geral voltada para a racionalidade e materialismo exacerbado.
No contexto atual, apesar da heterogenia social, a maioria de nós apresenta uma incapacidade de estar em paz com Deus. Por sermos egoístas, violamos o sentido básico da vida, sempre buscando soluções rápidas para os nossos problemas, mas sem enxergar a necessidade do outro. Tudo é nós e para nós.
Neste momento conturbado que vivemos, quando assistimos o desenrolar da questão desse novo vírus Covid-19 que assumiu papel principal no mundo inteiro assombrando a todos, uma forma diferente de pensar para um novo agir apresenta-se para nós. Temos agora um invisível que realmente provoca mudanças, que muda paradigmas, mesmo para os mais céticos.
Para quem crê em Deus, nada acontece por acaso. Tudo na vida tem um propósito que alinha todos os seres no crescimento espiritual, que mais uma vez vai ao encontro com as palavras do Rabi da Galileia. Jesus, o Mestre dos Mestres, o Médico dos Médicos, disse que o caminho para a salvação da humanidade seria o do coração, o do Amor. Ele não disse nada sobre religião, cor de pele ou partido político, mas disse que se alguém lhe ferisse, que apresentasse a outra face, que quando alguém lhe caluniasse, que perdoasse, que quando alguém lhe assaltasse, que orasse por ele, e, assim por diante. Este é um caminho que não estamos acostumados a trilhar, mas que um dia abraçaremos. Por agora, precisamos investir paulatinamente na lembrança diária de Deus, como nosso Pai Eterno e misericordioso. Precisamos orar com o coração aberto e refletir em algumas janelas do dia sobre o evangelho de Jesus, precisamos meditar para abrandar as nossas emoções e agradecer constantemente por estarmos vivos e termos a oportunidade de sermos úteis.
Muita calma nessa hora.
Deus no comando, sempre!
Hairon H. de Freitas
19/3/2020