Mudanças necessárias, mas não percebidas.

Em nossa ignorância, quase nunca optamos por analisar, viver ou abraçar as boas mensagens como filhas do coração. Pode ser que, no futuro, sintamos pesar pela oportunidade perdida ou pela opção raivosa que, muitas vezes, adotamos ao viver de forma desequilibrada.

É incrível como, ao ler um livro que nos proporciona leveza de alma, que nos traz a certeza do valor do calor humano ou que nos propicia mudanças positivas em nossos pensamentos, não fixamos tais informações em nossa consciência, quase sempre reacionária, implacável e inquisidora. Mas, é assim nossa forma infantil de agir. Quando ainda não possuímos consciência de algo tão importante, nós o deixamos escapar da nossa atenção, pois nosso corpo mental já se encontra repleto de pensamentos estranhos ao verdadeiro propósito da vida, que é o de progredir para o que faz bem para nós e para a sociedade.

Neste exato momento, podemos escolher o que nos faz bem. No entanto, quase nunca encontramos sentido nas mudanças. Admiramos a postura dos mais adiantados, mas não acreditamos que o esforço é para todos e não apenas para os santos do equilíbrio ou para os mais evoluídos. Preferimos, então, continuar como crianças que acreditam no prejuízo e no desequilíbrio universal. Assim, constatamos tudo por nossa ótica ansiosa e imediatista, e seguimos reforçando a nossa maneira de enxergar o mundo de forma reativa a toda oportunidade de crescimento que Deus nos proporciona. Em consequência, sofremos muito com os impactos de nossa escolha.

Usando melhor nossa inteligência, poderemos despertar para a importância deste momento e não mais permitir que tudo o que se passa conosco seja como um sonho inconsciente.

Hairon H. de Freitas