Retrato de mãe

Hoje apresentamos o lindíssimo poema de Maria Dolores que nos põe a refletir na infinita bondade de nosso Pai.
Deus que nos permite subtrair a culpa de nosso coração, por maior que seja; Deus que nos mostra o caminho da redenção e da corrigenda de nossos erros, que sempre cometemos em nossa vida; Deus que nos permite crescer no amor com o mais profundo autoperdão.
Deixemos invadir o nosso coração com a sensibilidade do Mestre do amor infinito, Nosso Senhor Jesus Cristo.



RETRATO DE MÃE – Maria Dolores / Chico Xavier, do livro “Momentos de Ouro”

Depois de muito tempo,

sobre os quadros sombrios do calvário.

Judas, cego no além, errava solitário…

Era triste a paisagem, o céu era nevoento…

Cansado de remorso e sofrimento,

Sentara-se a chorar…

Nisso, nobre mulher de planos superiores,

Nimbada de celestes esplendores,

Que ele não conseguia divisar,

Chega e afaga a cabeça do infeliz.

Em seguida, num tom de carinho profundo,

Quase que em oração ela diz:

– Meu filho, porque choras?

Acaso não sabeis? – replica o interpelado,

Claramente agressivo.

Sou um morto e estou vivo.

Matei-me e novamente estou de pé,

Sem consolo, sem lar, sem amor e sem fé…

Não ouvistes falar em Judas, o traidor?

Sou eu que aniquilei a vida do Senhor…

A princípio, julguei poder fazê-lo rei,

Mas apenas lhe impus, sacrifício, martírio, sangue e cruz.

E em flagelo e aflição

Eis que a minha vida agora se reduz…

Afastai-vos de mim,

Deixai-me padecer neste inferno sem fim…

Nada me pergunteis, retirai-vos senhora,

Nada sabeis da mágoa que me agita…

O assunto que lastimo é unicamente meu…

No entanto a dama calma respondeu:

– Meu filho, sei que choras, sei que lutas,

Sei a dor que causa o remorso que escutas…

Venho apenas falar-te

Que Deus é sempre amor em toda parte…

E acrescentou serena:

– A bondade de Deus jamais condena:

Venho por mãe a ti, buscando um filho amado.

Sofre com paciência a dor e a prova.

Terás em breve, uma existência nova…

Não te sintas sozinho ou desprezado!

Judas interrompeu-a e bradou, rude e pasmo:

– Mãe? Não venhais aqui com mentira e sarcasmo.

Depois de me enforcar num galho de figueira,

Para acordar na dor,

Sem mais poder fugir à vida verdadeira.

Fui procurar consolo e força de viver.

Ao pé da pobre mãe que forjara o ser !..

Ela me viu chorando e escutou meus lamentos.

Mas teve medo dos meus sofrimentos.

Expulsou-me a esconjuros,

Chamou-me monstro, por sinal

Disse que eu era

Unicamente o espírito do mal,

Intimidou-me a terrível retrocesso,

Mandando que apressasse o meu regresso

Para a zona infernal de onde eu vinha…

Ah ! Detesto lembrar a horrível mãe que eu tinha…

Não me faleis de mães, não me faleis de amor,

Sou apenas um monstro sofredor…

Inda assim – disse a dama docemente:

– Por mais recuses, não me altero,

Amo-te filho meu, amo-te e quero

Ver-te de novo a vida

Maravilhosamente revestida

De paz e luz, de fé e elevação…

Virás comigo à terra,

Perderás pouco a pouco, o ânimo violento,

Terás o coração

Nas águas de bendito esquecimento.

Numa existência de esperança,

Levar-te-ei comigo

A remansoso abrigo.

Dar-te-ei outra mãe ! Pensa e descansa !…

E Judas neste instante.

Como quem olvidasse a própria dor gigante,

Ou como quem se desgarra

De pesadelo atroz,

Perguntou: – quem sois vós?

Que me falais assim, sabendo-me traidor?

Sois divina mulher, irradiando amor,

Ou anjo celestial de quem pressinto a luz?

No entanto ela a fitá-lo frente a frente,

Respondeu simplesmente:

– Meu filho, eu sou a mãe de Jesus!!!

 

Do livro “Momentos de Ouro”

Maria Dolores (Espírito)

Francisco C. Xavier (psicografia)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s