Momento de Mudanças com Covid-19


A Causa do sofrimento da humanidade é o desligamento e o afastamento com Deus.
Somos sofredores por maldade ou por ignorância.
Somos rebeldes e não costumamos aceitar a lei de causa e efeito, não aceitamos o retorno do plantio que optamos por cultivar, através de nossos atos e pensamentos.
É incrível como nossa empatia é totalmente inconsciente e descompassada, como por exemplo: prejudicamos uma pessoa, mas, quando fazem o mesmo conosco, ficamos revoltados e dizemos aos quatro cantos que não merecemos isso e que Deus não existe.
Se não temos a capacidade de aprender com nossa inteligência e reflexão, como evoluirmos e nos aproximarmos das eternas e imutáveis Leis de Deus, senão pela dor e pelo sofrimento?
Atualmente, o que vem acontecendo de forma incisiva é um chamado para que haja maior despertamento para o que é real em nossas vidas e do que fugimos pela nossa distração com a matéria e com a busca incessante por uma aceitação social no geral voltada para a racionalidade e materialismo exacerbado.
No contexto atual, apesar da heterogenia social, a maioria de nós apresenta uma incapacidade de estar em paz com Deus. Por sermos egoístas, violamos o sentido básico da vida, sempre buscando soluções rápidas para os nossos problemas, mas sem enxergar a necessidade do outro. Tudo é nós e para nós.
Neste momento conturbado que vivemos, quando assistimos o desenrolar da questão desse novo vírus Covid-19 que assumiu papel principal no mundo inteiro assombrando a todos, uma forma diferente de pensar para um novo agir apresenta-se para nós. Temos agora um invisível que realmente provoca mudanças, que muda paradigmas, mesmo para os mais céticos.
Para quem crê em Deus, nada acontece por acaso. Tudo na vida tem um propósito que alinha todos os seres no crescimento espiritual, que mais uma vez vai ao encontro com as palavras do Rabi da Galileia. Jesus, o Mestre dos Mestres, o Médico dos Médicos, disse que o caminho para a salvação da humanidade seria o do coração, o do Amor. Ele não disse nada sobre religião, cor de pele ou partido político, mas disse que se alguém lhe ferisse, que apresentasse a outra face, que quando alguém lhe caluniasse, que perdoasse, que quando alguém lhe assaltasse, que orasse por ele, e, assim por diante. Este é um caminho que não estamos acostumados a trilhar, mas que um dia abraçaremos. Por agora, precisamos investir paulatinamente na lembrança diária de Deus, como nosso Pai Eterno e misericordioso. Precisamos orar com o coração aberto e refletir em algumas janelas do dia sobre o evangelho de Jesus, precisamos meditar para abrandar as nossas emoções e agradecer constantemente por estarmos vivos e termos a oportunidade de sermos úteis.
Muita calma nessa hora.
Deus no comando, sempre!
Hairon H. de Freitas
19/3/2020