A pena!


Hoje um passarinho trombou na janela do nosso apto.
Foi um barulho forte, estrondoso. Eu estava falando com um amigo no telefone celular e ouvi um duplo impacto, parecendo serem dois passarinhos que voavam meio desligados de suas manobras em pleno voo. Poderiam estar buscando comida, namorando ou fugindo de algum inimigo alado.
Fui até a janela e abri uma das partes onde encontrei a pena que repousava sobre o peitoril, fiquei analisando os detalhes de uma enorme parte do passarinho. Pensei: “não importa a espécie e o grau de valorização dos ornitólogos ou criadores, o que importa é o reconhecimento da complexidade da formação desta pena, o valor que a mesma dá ao pássaro, facilitando o seu voo perfeito. O que importa mais ainda é que, ao abrir a janela, olhei para baixo e não encontrei traços de nenhum pássaro sobre o telhado da área privativa do prédio.
Fiquei imaginando que ele, ou eles podem ter se ferido e passam por dores, pelos abruptos impactos que poderiam, ou podem, não sei ao certo, levá-los a morte.
Por mais um momento fiquei a olhar a pena, senti-la em sua maciez, leveza e em sua forma, Concluí mais uma vez de que Deus existe e não há como ignorar o desenvolvimento de milhões e milhões de anos de uma espécie.
Deus é o Senhor da vida e nos concede o direito de viver a cada instante, a cada dia de nossa vida como motorista e observador de nosso próprio destino.
Valorizar a vida é estar com Deus e toda a sua criação, jamais podemos ignorar os animais e imaginarmos de bem com Deus.
Hairon H. de Freitas.

Anúncios

Elucidações do Escritor Marcelo Csettkey


Jânio quadros renuncia em 25 de agosto de 1961. Todos perceberam a intenção e ele ficou sozinho. O povo aceitou sua renúncia. Assume Jango, um vice com fortes ligações com o comunismo e que, inclusive, chegou a reatar ligações diplomáticas com a URSS e se posicionou contrário às sanções impostas à Cuba em clara afronta aos EUA. A época era muito tensa, o mundo pós guerra estava dividido em dois blocos. O bloco ocidental estruturado no capitalismo e livre mercado era liderado pelos EUA. O bloco oriental era liderado por duas potências regidas pelo comunismo, a URSS e a China. O Partido Comunista de ambas as nações era extremamente repressor, punindo qualquer um que o contestasse. A punição ao contestador dos regimes de Stálin e Mao, ia da prisão, tortura e, em muitos casos, à morte – vide o “Arquipélago Gulag” de Soljenítsin e “Terras de Sangue” de Timothy Snyder. Na década de 60, o Politburo da URSS tinha um secretário-geral, Nikita Kruchev. Após a Revolução Cubana, com a instalação da ditadura de Fidel Castro, Kruchev resolveu instalar em 1962, em Cuba, mísseis de médio alcance para desafiar Kennedy. O impasse foi resolvido diplomaticamente por Iniciativa de Kennedy. Contudo, o mundo viveu a iminência da Terceira Guerra Mundial. Kennedy desconfiava de Jango: quando pediu a participação brasileira na retirada dos mísseis soviéticos de Cuba, Jango negou. Kennedy entendeu como uma deserção o gesto do presidente brasileiro, a desconfiança se amplifica, contudo Kennedy é assassinado em 22 de novembro de 1963. Imediatamente assume seu vice Lindon Johnson. Absolutamente alinhado aos interesses do Complexo Industrial-Militar, Johnson recebe os informes da CIA, e toma ciência de que Jango mantinha contatos perigosos com a URSS, Cuba e China. Havia o interesse estratégico de implantar o comunismo no maior país da América Latina, a América do Norte estava ciente desse plano e não permitiria que ele acontecesse. Seria uma derrota gigantesca uma nova “Cuba” no coração da AL. Vide:”A Revolução Impossível” de Luís Mir. Em Cuba, desde 1959, Fidel determina o fuzilamento de opositores. Milhares são mortos sem o devido processo legal. Che Guevara declara:”Eu não preciso de provas para executar um homem” e reafirma: “Evidências jurídicas são um arcaico detalhe burguês”. Em 1964, na ONU, reitera: “Fuzilamentos!? É claro que fuzilamos! E continuaremos a fuzilar enquanto for necessário”. Acabou fuzilado na Bolívia achando que “valia mais vivo que morto”. Johnson antecipa a blindagem do Brasil e orienta Vernon Walters (adido militar americano no Brasil) e Lincoln Gordon (embaixador americano no Brasil) a preparar o general Castelo Branco. Com a Marcha da Família com Deus pela Liberdade em São Paulo em 19/03/1964 em que participaram mais de 1 milhão de pessoas, com o apoio do Congresso Nacional e da grande mídia, os militares tomam o poder. Inicia-se efetivamente oposição armada ao regime militar. Os comunistas frustrados com a surpreendente mudança de rumo, fortalecem os grupos que já estavam criados, como o Partido Operário Revolucionário Trotskista, a Ação Popular, a ALN de Marighella, a Política Operária (POLOP) dentre outros financiados pela URSS e Cuba, para guerrear e praticar terrorismo no Brasil. Muitos podem achar que eram idealistas, quase românticos a desejar a democracia, no entanto lutavam com armas para estabelecer o comunismo no Brasil. Luiz Carlos Prestes do PCB, apoiador explícito de Jango, mantinha frequentes encontros no Kremlin com Kruchev que o financiava e orientava com instruções para o preparo político das massas operárias e camponesas para a luta armada no Brasil. Carlos Mariguella, o Capitão Lamarca, Julião e tantos outros explodiam locais públicos, assassinavam, sequestravam e assaltavam. Enfim, estavam em guerra contra o regime militar, que por sua vez também combatia. Houve exageros de ambas as partes, todavia a História conta apenas um lado da questão. Marighella era o responsável pela guerrilha urbana, Lamarca e Gambois desejavam criar uma espécie de FARC. Brizola, cunhado de Jango, em sua Frente pela libertação Nacional pegou dinheiro com Fidel e comprou terras no Uruguai. Fidel passou a chamá-lo de “El Ratón”.

Aliás, coma saída dos militares do poder, os “heróis combatentes” receberam polpudas indenizações, no entanto, do outro lado, apenas a pecha de reacionários e fascistas. Excetuando os exageros cometidos, entendo que o combate à implantação do comunismo no Brasil foi correta. O comunismo é um sistema falido que beneficia poucos (Politburo) em detrimento de muitos. Esses poucos expropriam bens alheios, se apropriam das empresas, tornando-as estatais, asfixiam a mídia, aparelham o judiciário e as Forças Armadas e arrasam o livre mercado. Aos poucos o país vai definhando e finalmente entra em falência múltipla (URSS) ou torna-se um feudo do século XXI (Cuba). A Venezuela dos amiguinhos de Lula é o exemplo factual do supracitado.

Bolsonaro é nossa chance de impedir o alastramento dessa desgraça no Brasil. O povo não aguenta mais o lulopetismo bolivariano, fora Foro de São Paulo, fora PT!

Arte e texto: Marcelo Csettkey.

Limpeza Canal Itajurú e Conscientização

É lamentável quanta ignorância ainda praticamos contra o nosso planeta.

No dia de hoje, 15 set. 2018, mergulhadores fizeram uma limpeza no Canal do Itajurú em apenas algumas horas retiraram uma quantidade absurda de lixo. Estas pessoas sensíveis e educadas, às quais parabenizo, reconhecem o planeta como nossa única morada e não querem que o pior aconteça. O plástico descartado nos oceanos tomou uma quantidade absurda de nossos mares, têm ilha (área 1,6 milhão km²) maior que o estado do Amazonas (área 1,57 milhão km²), que abarca uma das maiores florestas do mundo.

A situação é preocupante e requer um esforço de todos nós, para que nos tornemos colaboradores e evitemos de prejudicar o nosso bem estar que já está comprometido com tantos lixões distribuídos em todo sistema!

Imagens: Post Facebook Guarda Marítima de Cabo Frio
Hairon H. de Freitas

Uma Linda Canção!

O ser humano é um imitador nato. Quando o cantor entoa esta linda canção, as pessoas demostram seu carinho através dos gestos e suas feições são modificadas pela graciosidade da canção. Que possamos transmitir o amor em nosso caminho até chegarmos ao ponto em que, até mesmo calados, sem dizermos nada, mesmo assim transmitiremos a paz e ela tocará os corações, podendo levar aos prantos. Somos seres sensíveis e podemos valorizar o amor, sempre o amor!
Hairon H. de Freitas

Créditos: Neste vídeo assistimos a apresentação do cantor Martin Hurkens!

A hora é agora!

Neste minuto eu posso melhorar o meu ser, o meu aspecto de vida…

O que está acontecendo conosco, por que tanto ouvimos, assistimos e praticamos a violência em nosso mundo?

Se analisarmos a vida em nossa sociedade dos anos 70 até nossos dias, veremos que a intolerância, dentro do quadro da violência, tem crescido assustadoramente.  Nós estamos perdendo a referência moral pela banalização de tudo que mantínhamos dentro de certos preceitos, como: sexo, relacionamento, lazer, respeito, enfim são tantas coisas das quais abusamos  que passamos a infligir em nossos corpos um hábito de reflexo imediato de raiva, até mesmo ira, pelas coisas que acontecem à nossa volta.

Tenho observado nos relacionamentos, no trânsito, no trabalho, nas escolas, um acentuado grau de intolerância, pois as pessoas não estão mais dispostas a se manterem no caminho do meio.  Somos todos levados pelo acentuado grau de ceticismo, de egoísmo e de revolta e com isso nos capacitamos a julgar, condenar e aprisionar em nosso ego a arbitrariedade da pena.

Nos anos 70, vivíamos o reflexo dos anos anteriores, quando nos debruçamos sobre os grandes filósofos e na rigidez da igreja, a qual conteve adormecida esta intemperança desastrosa que presenciamos nos dias atuais. Saímos de um ponto mórbido, de uma contenção absoluta imposta pelo medo, para o outro extremo onde a revolta e a raiva incontida subtraem o melhor de nossas vidas. Sairmos de um ponto para outro extremo é como sairmos da brasa para cairmos no fogo. O melhor caminho é o do meio e para isso precisamos nos domar, assim como fazem com os equinos que necessitam de freios e arreios, para que a autoeducação não fique comprometida.

Vigiai e Orai para não cairdes em tentação – Jesus.
Muita Paz!
Hairon H. de Freitas.

Novo ano, novas mudanças!


Novo ano está chegando, ele vem carregado com mudanças.
Eu particularmente acredito que na maior parte das vezes nós não aceitamos bem as mudanças, mas acredito também que todas elas são próprias de uma força infinitamente superior que nos conclama ao caminho da “Retidão”. Caminho este que deveríamos trilhar normalmente, sem desvios ou atalhos.
Estas mudanças podem ser: mais um desempregado ou um novo profissional que se formou, uma pessoa que perde um ente querido, ou mais um bebê que nasce, uma pessoa que adoece ou uma que se cura, uma pessoa que perde a fé ou uma que descobre o evangelho.
Estamos constantemente passando por mudanças em nossa vida e algumas delas nos desequilibram e as vezes precisamos buscar um profissional da saúde para mantermos o nosso equilíbrio.
Acredito também que somos construtores de nosso próprio futuro, já que podemos determinar as nossas ações com base nos nossos desejos.
Desejar é algo importante para construirmos, mas desejar o bem é o melhor, já que podemos encontrar situações difíceis e complicadas em nosso próprio futuro.
Com tudo isso sempre poderemos fazer o melhor, como: perdoar, amar, estudar, disciplinar nossas tendências, vigiar nossas ações e orar.
Quando entendemos um pouco sobre as Leis de Deus já temos base para auscultarmos o nosso futuro, como fazem os profetas. Eles vêem o que pode acontecer caso não haja uma mudança significativa no momento presente.
Todos podemos ser mais e melhor, basta que valorizemos as pessoas honestas, leais e que entendem a fragilidade de uma pessoa ou amigo que ainda está no caminho da ignorância.
Aproveito neste dia para agradecer aos amigos e a todos que me ajudaram em minha caminhada.
Com Amor Lú e todos familiares.
Feliz 2018!
Hairon H. de Freitas

Quer viver mais? Coma menos – Deu na Veja:

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia mostrou que cortar entre 34% e 54% das calorias consumidas normalmente ajuda a retardar o envelhecimento.

casal-de-idosos-20142102-original

Seguir ocasionalmente uma dieta de baixa caloria que imita o jejum mostrou-se efetivo reduzir os fatores de risco relacionados ao envelhecimento, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer
Seguir ocasionalmente uma dieta de baixa caloria que imita o jejum mostrou-se efetivo reduzir os fatores de risco relacionados ao envelhecimento, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer
Comer menos pode ajudar a viver mais. É o que diz um estudo publicado recentemente no periódico científico Cell Metabolis. No trabalho, os pesquisadores observaram o impacto do chamado “quase jejum” sobre o envelhecimento. Os resultados mostraram que cortar calorias ocasionalmente melhora a saúde, principalmente em aspectos que tendem a piorar com a idade. A dieta fortalece o sistema imunológico, o sistema nervoso, reduzindo, assim, os fatores de risco para várias doenças, incluindo o câncer.

Os participantes se submeteram a ciclos de cinco dias de restrição calórica por mês, durante três meses. A dieta dos dias de jejum continha entre 34% e 54% das calorias consumidas normalmente. Isso corresponde a cerca de 750 e 1050 calorias diárias. Tal comportamento alimentar reduziu a quantidade do hormônio de crescimento IGF-1 que, embora seja importante para o desenvolvimento, pode estimular o envelhecimento.

“Muitos podem se benerficiar com essa dieta, não só obesos”, disse Valter Longo, principal autor do estudo e diretor do Instituto de Longevidade Universidade do Sul da Califórnia, à revista Time. Pessoas com glicemia de jejum elevada e um histórico familiar de câncer, por exemplo.

Os autores ressaltam a importância de consultar um médico ou um nutricionista antes de iniciar uma dieta como essa.

(Da redação)

1. Case-se

casamento-2013-28-10-original1

Casar-se, ou simplesmente ter um companheiro ao longo da vida, pode acrescentar anos à vida de uma pessoa. Um estudo feito na Universidade Duke, nos Estados Unidos, com 4 800 pessoas descobriu que adultos solteiros correm um maior risco de morte prematura e, portanto, são menos propensos a chegar à terceira idade do que aqueles que vivem com um companheiro. Na pesquisa, as pessoas que nunca haviam se casado tiveram mais do que o dobro do risco de morrer precocemente do que as que viviam com um parceiro. Essa chance foi 60% maior entre aquelas que já tinham sido casadas alguma vez na vida.

2. Beba café, mas com moderação

cafe-cha-bacteria-mrsa-20110714-original3

Ingerir três xícaras de café todos os dias é suficiente para prolongar a vida de pessoas com mais de 50 anos. Um estudo do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos descobriu que essa quantidade da bebida é capaz de reduzir em 10% o risco de mortalidade em um período de doze anos nesse público. Além disso, outras pesquisas já associaram o café à proteção contra doenças como câncer de pele e derrame. Isso não quer dizer, porém, que as pessoas devam exagerar no café: a mesma pesquisa americana encontrou uma relação entre o excesso de cafeína e um maior risco de câncer entre homens.

3. Saia do sedentarismo

exerccios-terceira-idade-54b2d488cf4a9

Muitas pesquisas já comprovaram que exercitar-se é um dos caminhos para viver mais. Um estudo dinamarquês de 2012, por exemplo, concluiu que a corrida leve pode aumentar a longevidade em até seis anos. Já uma pesquisa americana publicada no mesmo ano mostrou que atividades físicas de lazer, como caminhar ou pedalar no parque, é capaz de acrescentar até 4,5 anos na expectativa de vida de alguém. Os prejuízos do sedentarismo, no entanto, não são evitados apenas com os exercícios, mas também com a redução do tempo em que uma passa sentada em frente à televisão ou ao computador. Um estudo feito na Austrália e publicado em 2012 provou que o sedentarismo não só provoca doenças, como encurta a vida. A pesquisa avaliou 200 000 pessoas acima de 45 anos e descobriu que as que permaneciam sentadas por mais tempo tinham duas vezes mais chance de morrer em um período de três anos do que aquelas que ficavam sentadas por menos tempo ao longo do dia.

4. Inclua peixe no cardápio

salma-cru-peixe-20130103-original1

Um estudo da Universidade Harvard descobriu que pessoas com mais de 65 anos que desejam ter uma vida mais longa podem começar por incluir peixe no cardápio com maior frequência. O alimento, especialmente tipos como a sardinha, o salmão e o atum, é rico ômega-3, nutriente que já foi associado a benefícios à saúde cardiovascular. A pesquisa americana acompanhou 2 700 pessoas com 65 anos ou mais ao longo de 12 anos e concluiu que aquelas que apresentavam os maiores níveis de ômega-3 no organismo viviam, em média, 2,2 anos a mais do que quem nunca consumia o nutriente. A recomendação dos pesquisadores é o consumo de no mínimo duas porções por semana de peixes ricos em ômega-3.

5. Mesmo na velhice, adote um estilo de vida saudável

exercicio-perda-memoria-idoso-20110810-original2

Muitas pessoas podem pensar que uma maior longevidade se conquista com hábitos saudáveis seguidos ao longo da vida toda, mas uma pesquisa feita na Suécia concluiu que adotar um estilo de vida saudável já na velhice também contribui nesse sentido. O estudo analisou, ao longo de 18 anos, a sobrevivência de 1 800 idosos com mais de 75 anos e descobriu que não fumar, não beber em excesso e praticar exercícios pode aumentar em até cinco anos a longevidade, mesmo entre aqueles que têm alguma doença crônica.

6. Consuma nozes todos os dias

nozes-20120726-01-original1

Pesquisadores da Universidade Harvard chegaram à conclusão de que pessoas que comem nozes, amêndoas, castanhas, avelãs e outras oleaginosas todos os dias desfrutam de uma melhor qualidade de vida e tendem a viver por mais tempo. Em um estudo publicado em 2013, eles acompanharam cerca de 120 000 indivíduos ao longo de trinta anos e descobriram que, durante esse tempo, o risco de morrer foi 20% menor entre quem comia mais oleaginosas do que aqueles que nunca as consumiam. As oleaginosas contêm gorduras saudáveis e são ricas em fibras e proteínas, o que retarda a absorção do alimento e diminui o apetite. Por isso, seu consumo está associado a uma melhor alimentação e controle do peso, fatores benéficos à saúde em geral.

7. Coma mais vegetais e menos carne vermelha

vegetariana-20133101-original1

Um dos segredos da longevidade pode estar em seguir uma conhecida recomendação dos médicos: comer pelo menos cinco porções de frutas e vegetais todos os dias. Um estudo sueco publicado em 2013 acompanhou mais de 70 000 adultos durante 13 anos e descobriu que quem segue essa recomendação vive, em média, três anos a mais do que quem nunca consome frutas e vegetais. Além disso, segundo uma pesquisa da universidade americana Loma Linda, o risco de morte dentro de um período de seis anos chega a ser 12% menor entre vegetarianos em comparação com quem come carne. O consumo de carne vermelha por si só já foi associado a uma chance até 20% mais elevada de mortalidade. A conclusão faz parte de trabalho da Universidade Harvard publicado em 2012.

2-coma-frutas-1437605162849_615x300

Site Veja: http://veja.abril.com.br/saude/quer-viver-mais-coma-menos/