Imprensa e Redes Sociais


Sabemos que, de tempos em tempos, toda forma de fazer política é modificada pelo próprio entendimento que a sociedade assim se impõe.
Em tempos de recrudescimento da violência na política, notamos quão impactante são as redes sociais que vêm apresentando uma enormidade de falácias, assim chamadas de fake news.
De certa forma, a internet vive hoje um acentuado descrédito como meio informativo. Isso porque algumas pessoas intentam somente conquistar a simpatia de eleitores, conseguir likes com sensacionalismos ou manipular para conseguir seus sórdidos intentos.
Creio que a omissão e manipulação de notícias sempre foram uma face da mídia mundial, mas não são todos que entendem assim. Paciência, já que opinião é opinião.
Particularmente, acredito que as pessoas estão observando e sentindo na pele o que são as fake news, com isso estão conhecendo melhormente a imprensa marrom que sempre foi tendenciosa e manipuladora.
Acredito que sempre existirá uma melhor forma de noticiar e sempre haverá uma melhor forma de conquistar os seus simpatizantes, sem que haja este acúmulo exacerbado de fake news e de manipulações.
A população tem amadurecido nestes quesitos e está assumindo o seu direito à crítica e estes veículos oficializados encontram-se cada dia mais fragilizados e inoperantes.

Hairon H. de Freitas

Limpeza Canal Itajurú e Conscientização

É lamentável quanta ignorância ainda praticamos contra o nosso planeta.

No dia de hoje, 15 set. 2018, mergulhadores fizeram uma limpeza no Canal do Itajurú em apenas algumas horas retiraram uma quantidade absurda de lixo. Estas pessoas sensíveis e educadas, às quais parabenizo, reconhecem o planeta como nossa única morada e não querem que o pior aconteça. O plástico descartado nos oceanos tomou uma quantidade absurda de nossos mares, têm ilha (área 1,6 milhão km²) maior que o estado do Amazonas (área 1,57 milhão km²), que abarca uma das maiores florestas do mundo.

A situação é preocupante e requer um esforço de todos nós, para que nos tornemos colaboradores e evitemos de prejudicar o nosso bem estar que já está comprometido com tantos lixões distribuídos em todo sistema!

Imagens: Post Facebook Guarda Marítima de Cabo Frio
Hairon H. de Freitas

Discussão sobre Aborto pelo STF.

Em agosto 2018 será retomada a discussão sobre a Legalização do Aborto pelo STF.
Como um simples cidadão nascido neste país com dimensões continentais chamado Brasil, deixo aqui registrada a minha opinião sobre este assunto, que a meu ver está provocando indignação em todos os que professam a defesa pela vida, por todos aqueles que são Cristãos e por todos aqueles cientistas e médicos que acreditam na aceitação do destino natural da concepção, que é professada no encontro das sementes que se tornam uma, que criam através desta fusão a chancela de uma nova vida.
Hoje o homem já consegue prever muito do que vai acontecer em uma gestação, a aparelhagem desenvolvida pela ciência permite proteger mais a vida da mãe e do bebê, mas tudo, só Deus sabe.
Esta ação foi proposta pelo PSOL, a ministra Rosa Weber marcou para o próximo mês a retomada da discussão, que a meu ver não é nada mais do que uma oportunidade de um partido que reivindica a aprovação daquilo que eles sempre defenderam, já da parte dos magistrados que defendem o governo, é também um assunto que vem desviando o foco a tantos desmandos que aconteceram no mês anterior, onde a copa mundial, também conseguiu desviar a atenção para aprovações absurdas e libertação de bandidos já condenados que estavam presos, mas arbitrariamente foram soltos.
É importante neste momento que as pessoas de bem divulguem em suas redes sociais o direito a vida que é dado por Deus e nós que somos parte da sua criação não temos o direito e o poder para interferir nas gestações de forma a eliminar uma vida totalmente sem condições de se auto defender.
O Brasil possui em suas leis algumas aberturas para o aborto, como no caso de estupro, no caso de risco a saúde da mãe ou no caso de anencefalia, mas são casos especiais. No Brasil as leis não abarcam a pena de morte, pois o povo têm como base as escrituras sagradas, com a sua formação religiosa e cultural de ser. Eu como inserido neste meio, concordo plenamente com a bancada que é formada em sua grande maioria pelo direito a vida de um ser que não pode ser julgado nem condenado por algo que não tenha praticado em vida.
Que Deus misericordioso abençoe o povo brasileiro!
Hairon H. de Freitas