Algo sobre o momento de recolhimento que acontece em toda Terra.

O momento é de voltarmos para o coração.
O pior sentimento é o de que estamos traindo Jesus, o amado Mestre.
Precisamos buscar forças em nós, para entendermos a necessidade do momento, de participarmos da construção e da solidificação do amor em nós mesmos.
Não adianta imaginarmos uma Nova Terra, onde a tolerância, o amor, a paz e a saúde estejam reinando, se não solidificarmos estes sentimentos aqui e agora.
O momento é de difícil compreensão para todos nós que estamos sofrendo pela necessidade do recolhimento forçado, ocasião em que muitos estamos angustiados por uma diversidade de situações impostas pelo meio material e espiritual.
O amor precisa sobrepor-se nesse momento tão sensível. Precisamos ultrapassar as nossas limitações e buscar, dentro do nosso cadinho forjado pelo tempo, e que, por isso tornou-se imensamente resistente, aquela força que está escondida, envolta pelo medo e pela desesperança do instinto básico de sobrevivência, o sentimento de fraternidade que reconhece em todos os seres o irmão necessitado de atenção, de carinho e de amparo, seja ele emocional, espiritual ou material.
Nesse momento, estamos todos numa prova de fogo na qual precisamos continuar caminhando, apesar do medo, para acendermos a luz em nosso coração. Luz para brilhar um pouquinho mais em nossos pensamentos, emoções e atitudes.
Não podemos jamais nos esquecer do pedido de Jesus para todos que queiram colaborar com a obra do Pai, em Mateus 28:20, quando disse: “ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos”. Sendo assim, com o pouco de evangelho que já depositamos em nosso coração, com a esperança e a consciência de que não estamos desamparados, podemos agir de alguma forma no meio em que estamos. Temos consciência do muito que precisa ser feito, mas, dentro de nossas limitações, podemos fazer o pouco que nos cabe, como nos disse Madre Teresa de Calcutá: “O que eu faço é uma gota no meio de um oceano, mas sem ela o oceano será menor”.
Que Jesus, o amado Mestre, nos abençoe, sempre!
Hairon H. de Freitas

Respeito na Opção Política

Closeup shot of two businessmen shaking hands in an office

Momento importante pelo qual passa o Brasil e as pessoas vêm sofrendo por expectativa e ansiedade. São muitos os pensamentos que marcam o presente e tornam-se mais fortes à medida que se aproxima o dia 7 de outubro de 2018, dia em que a população brasileira irá até à cabine de votação registrar o seu voto para tentar eleger o seu candidato aos cargos de deputado federal e estadual, governador, senadores e presidente da república.
Vejo que os ânimos estão exaltados nas redes sociais, uma profusão de ataques e ideias estranhas de uns tentando demover outros para sua crença, pois a polarização criada pela radicalização impactou toda nação, o emocional descontrolado tomou conta da racionalidade de muitos, colocam a sua ideologia acima da realidade que se mostra clara e transparente.

Eu acredito que o candidato pode estar inscrito em qualquer partido e se alguém, de outro partido, estiver com ideias melhores, eu, particularmente, mudarei de partido, pois quem cria os partidos são pessoas e o grupo que os compõe e administra nem sempre está afinado com o que a maioria deseja.
O importante é valorizarmos pessoas que nem sempre têm a mesma opinião, mas o respeito é necessário para uma boa convivência na família, no trabalho e nas redes sociais.
Não é o que vemos atualmente. Hoje há famílias fragilizadas pelo discurso de ódio que amputou as bases da célula mais importante da sociedade, mas isso pode mudar a partir do momento em que entendermos que existem pessoas de caráter em todo lugar e partido. É importante também que baixemos os nossos ânimos e a nossa ansiedade sobre o futuro, sem jamais perdermos o foco do respeito!

Hairon H. de Freitas

Com Respeito ganho, o próximo passo é o Amor.

respeitando pai e filho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hoje surge o momento de equalizar o respeito.

Antigamente o respeito só era dado aos mais velhos enquanto os mais novos eram as vezes destratados. De um momento para outro os jovens entenderam que não convinha mais cumprir o papel somente de um lado e passaram a desrespeitar os mais velhos.

Os mais velhos por vez continuaram como dantes não compreenderam a mensagem.

Neste exato momento surge a equalização do respeito, onde os mais velhos respeitam os mais novos e os mais novos respeitam os mais velhos.

Com o respeito dado nada será tomado e todos continuarão mais próximos do amor, já que este será o próximo passo.

Hairon H. de Freitas.