Sarau em Araruama RJ

Sarau realizado pela escritora Tatiana Machado, na Pizzaria Laguna, numa noite linda (22/6/19), com a lua sobre a lagoa de Araruama.
Deixo aqui os meus agradecimentos a Tatiana, sendo que em outra oportunidade participaremos com muita alegria de outro sarau, neste local que inspira os românticos.
Veja no link abaixo parte do sarau que filmei. O vídeo é bem amador, como sou amador na arte da escrita poética.
Na segunda parte da exposição aparece a escritora Luciana Rugani e ao lado aparece a anfitriã Tatiana Machado.
Hairon H. de Freitas

Novos tempos, novas medidas urgentes!


Houve um tempo em que eu achava normal inflar-me, irar-me e tornar-me rubro quando alguém me distratava, chamava minha atenção, ou me desprezava. Hoje vejo que sempre estive doente com a moléstia do orgulho. É uma doença grave, de difícil cura, pois contém uma chaga aberta. Na menor das pressões, provoca uma dor estranha, quase infinita.
Como estamos vivendo dentro dos parâmetros que adotamos como “normais” e não conhecemos, ou desacreditamos, das palavras do Mestre Jesus, continuamos enfermos e não nos colocamos disponíveis para uma mudança significativa em nossas vidas, não enxergamos ou não adotamos uma postura amorosa e exemplar, como a de nosso amado Chico Xavier, alma pura e que muito bem representou Jesus na Terra. Imaginemos Chico, quando se encontrou com a alma doente daquela mulher que lhe cuspiu no rosto. Coloquemo-nos em seu lugar: o que faríamos, senão desobedecer aos ensinamentos de Jesus? O que sairia de nosso coração, senão farpas e impropérios, ou até mesmo agressões físicas? Mas, com Chico, tudo foi diferente, pois ele estava curado dessa doença que atingiu toda sociedade terrestre. Doença estranha, que acomete todo o planeta e desabrocha em nós tendências perniciosas e próprias de um plano vibracional doentio que acabamos atraindo.
Hoje somos provocados em nossa mudança interior. Jesus estendeu o convite ao planeta, para a realização de uma mudança significativa, imperiosa para o novo momento da humanidade. Neste momento, precisamos atingir uma vibração mais elevada em nosso espírito. A Terra está deixando paulatinamente o tempo de expiações, mas, para que isso aconteça, o nosso planeta precisará produzir uma vibração mais elevada e constante. Só assim o homem não mais guerreará com outrem, a margem de tolerância se alargará e o estopim será extinto.
Em nosso trabalho de mudança, não nos encontramos sós. Tivemos, ao longo dos milênios, vários professores que trouxeram mensagens de amor e de tolerância, como: Buda, Sócrates, Maomé, Lao Tsé, Confúcio, São Francisco de Assis, Madre Teresa de Calcutá, Chico Xavier, Irmã Dulce e tantos outros que espalharam parte da semente que Jesus nos trouxe, há mais de 2.000 anos.
Estamos crescendo, espiritualmente falando. Já não somos mais crianças desenfreadas em seus desejos e descontroladas em suas emoções, não podemos ser. A hora é de acordarmos para as lições que vêm sendo apresentadas ao mundo em todos estes milênios.
A força que precisamos para a mudança não está somente em nós, mas em todos os mestres que, juntos, seguem vibrando para que nos tornemos adultos e não entremos em brigas e contendas descabidas. O orgulho, que está intrinsicamente amarrado ao medo e ao egoísmo, precisa ser estudado e entendido. Os grandes mestres nos deixaram vacinas valorosas contra ele, assim sendo, precisamos visitar o nosso centro de saúde interior e nos vacinarmos todos os dias com: bons livros, meditações, orações e cultivo de bons pensamentos.
Não temos mais tempo para sermos prolixos, não mais nos cabe. Não precisamos de provas da existência deste ou daquele mestre, nem temos mais tempo de discutirmos o sexo dos anjos. O momento exige determinação, coerência e boa vontade para mudarmos definitivamente a atmosfera de nossa nave planetária, adotando uma nova assinatura, mais amorosa e iluminada chamada Amor.
Que o Mestre Jesus nos ampare com a sua misericórdia, neste momento em que o vírus atingiu drasticamente todo planeta. Mas precisamos fazer a nossa parte, urgentemente, pois Jesus já fez a dele.
Sejamos colaboradores de Jesus, fraternalmente ajudando a todos, sem distinção. São inúmeros os necessitados, nós podemos pelo menos orar por cada um, em seu quadro atual de sofrimento.

Hairon H. de Freitas

Nos dias atuais!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nos dias atuais, mais do que nunca, precisamos colocar em xeque qualquer tipo de informação ou notícia que nos chegue. Nas redes sociais é onde encontramos uma facilidade enorme para replicar conteúdos mentirosos criados com intuito de manipular ou gerar discórdia. É importante que pensemos muito antes de qualquer postagem que incite à violência, quando muitos, mesmo sabendo que uma notícia é mentirosa, assim mesmo postam, abolindo qualquer sentido ético.
O momento que estamos vivendo é extremamente sensível. A maioria dos habitantes do planeta está preocupada e sofrendo, de alguma forma, em decorrência do vírus, seja pelo isolamento social ou pela fome. No entanto, existem outros diversos sofrimentos, como o da ansiedade, que pode levar muitas pessoas a atitudes extremas.
Mais do que em outros dias, faz-se necessário intensificarmos a nossa fraternidade e as nossas boas intenções. Neste momento, não nos cabe mais projetar dardos venenosos para atacar ou denegrir as outras pessoas, sejam elas de qualquer credo, país, cor, raça, partido político ou classe social. É hora de darmos as mãos e procurarmos acalmar nossos ímpetos mais rebeldes, é hora de nos apequenarmos e fugirmos do orgulho, causador de tantas discórdias.
É hora de agirmos com a inteligência, concedendo, a nós mesmos, momentos de paz e de amor que nos elevem a uma melhor condição espiritual e emocional. Neste momento, precisamos nos unir em uma corrente de solidariedade para melhorar as vibrações que se somam nos quatro cantos do mundo, pois as boas vibrações são determinantes para que Deus, em sua infinita misericórdia, permita que a cura possa ser acelerada ou mesmo que o vírus seja reduzido em nosso meio.
Não podemos mais orar a Deus pela cura e, ao mesmo tempo, praguejar que esta nação ou aquela seja derrotada, ou mesmo pedir proteção por nossos familiares e ao mesmo tempo praguejar contra qualquer outra pessoa, seja ela quem for.

Hairon H. de Freitas

Considerações sobre o momento atual!


O momento é de provocação em todos sentidos.
Tudo que está acontecendo precisa passar pelo crivo da razão e da emoção, sem exacerbações, mas consonante a nossa postura equilibrada diante do medo da intemperança e das sensações volatizantes.
O momento não é de puro acaso, mas de um somatório de ações que já vem extrapolando o sentido da vida. O cerco veio fechando aos poucos, mas a vontade de Deus se faz presente e o convite para nossa mudança está sempre no ar começando na nossa própria consciência.
A batalha hoje não é mais no campo de guerra, mas em nosso mundo interior, no mundo onde habitamos e que materializa o cenário onde coexistimos.
Neste momento somos impulsionados a uma nova faixa de vibração que envolve o nosso universo, como se começássemos a participar de uma escola de nível superior e não soubéssemos quais matérias serão aplicadas.
Além deste novo curso este é o momento que estamos fazendo provas para conquistarmos a nova escola. Agora, em tempos de provas o professor fica em silêncio e atento, somente prestando atenção em seus pupilos. Agora, a misericórdia de Deus é infinita.
Hairon H. de Freitas

Algo sobre o momento de recolhimento que acontece em toda Terra.

O momento é de voltarmos para o coração.
O pior sentimento é o de que estamos traindo Jesus, o amado Mestre.
Precisamos buscar forças em nós, para entendermos a necessidade do momento, de participarmos da construção e da solidificação do amor em nós mesmos.
Não adianta imaginarmos uma Nova Terra, onde a tolerância, o amor, a paz e a saúde estejam reinando, se não solidificarmos estes sentimentos aqui e agora.
O momento é de difícil compreensão para todos nós que estamos sofrendo pela necessidade do recolhimento forçado, ocasião em que muitos estamos angustiados por uma diversidade de situações impostas pelo meio material e espiritual.
O amor precisa sobrepor-se nesse momento tão sensível. Precisamos ultrapassar as nossas limitações e buscar, dentro do nosso cadinho forjado pelo tempo, e que, por isso tornou-se imensamente resistente, aquela força que está escondida, envolta pelo medo e pela desesperança do instinto básico de sobrevivência, o sentimento de fraternidade que reconhece em todos os seres o irmão necessitado de atenção, de carinho e de amparo, seja ele emocional, espiritual ou material.
Nesse momento, estamos todos numa prova de fogo na qual precisamos continuar caminhando, apesar do medo, para acendermos a luz em nosso coração. Luz para brilhar um pouquinho mais em nossos pensamentos, emoções e atitudes.
Não podemos jamais nos esquecer do pedido de Jesus para todos que queiram colaborar com a obra do Pai, em Mateus 28:20, quando disse: “ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos”. Sendo assim, com o pouco de evangelho que já depositamos em nosso coração, com a esperança e a consciência de que não estamos desamparados, podemos agir de alguma forma no meio em que estamos. Temos consciência do muito que precisa ser feito, mas, dentro de nossas limitações, podemos fazer o pouco que nos cabe, como nos disse Madre Teresa de Calcutá: “O que eu faço é uma gota no meio de um oceano, mas sem ela o oceano será menor”.
Que Jesus, o amado Mestre, nos abençoe, sempre!
Hairon H. de Freitas

Poema Saudades do meu Amor!

Saudades do meu Amor!

1) Conhecendo meu Amor:
Na dança do tempo;
Acordo a brincar;
Sorriso constante,
Amor a contar.

2) Nos Conhecendo:
Provoco minh’alma;
Tento evitar;
Se mudo num dia;
Mistério no ar.

3) Amor é aquele que sobrevive ao tempo:
Se salto de amores;
Realejo a tocar;
Quando estou perto dela;
O brilho vem me encantar!

Hairon H. de Freitas
13/2/2020

Qual a melhor solução para os nossos problemas?

Onde e quando o ódio é a solução de nossos problemas ou mesmo da forçada aceitação do outro de nossas convicções ou pensamentos?
Porque aparentemente o ódio vem sendo disseminado com tanta intensidade e veemência pelas redes sociais, no convívio do lar, no trabalho, na política ou até mesmo nos templos religiosos?
Se aguçarmos as nossas antenas sobre o que parece ser um desmoronamento da nossa sociedade, notaremos que parece um imenso sim, tudo está mais claro e sendo apresentado em pratos quentes. Assistimos assuntos antes comentados somente entre quatro paredes, sendo expostos em redes sociais e argumentados ferozmente como se devessem ser aprovados na base da força e da ignorância.
No dia de ontem 10 de julho de 2019 recebi notícias pela internet sobre: a morte do jornalista famoso, Paulo Henrique Amorim e logo depois recebi outra notícia de um deputado comemorando a sua morte; recebi a notícia da votação da reforma da previdência e logo depois fiquei sabendo que o governo usou da máquina para comprar todos aqueles deputados que se posicionaram contra, caso não fossem agraciados com 40 milhões; logo depois fiquei sabendo de um morador de rua de Montes Claros que alguém ateou fogo nele e que ele acordou em chamas, ao término da leitura do jornal o Tempo fiquei sabendo que ele teve queimaduras de 2º e 3º graus. Ainda tem mais notícias e apresentações de loucuras na TV, nas revistas e nas conversas com amigos ou conhecidos.
Agora, hoje pela manhã do dia 11 de julho de 2019 assisti um vídeo de uma médica que sensibilizada pela doença de uma paciente sua, utilizou das redes sociais para passar a sua mensagem, e, disse que não temos problemas, mas sim contratempos, pois temos problemas quando não possuímos saúde, agora contratempos seriam as demais coisas que acontecem em nossa vida. Enfim, na área de oncologia ela descobriu que problemas é quando não se tem saúde. A sua paciente disse pra ela que conseguiu fazer a quimioterapia, mas o médico disse que ela estava com metástases. A médica disse pra paciente de forma consoladora, que o câncer tem cura e a paciente respondeu: o câncer tem cura, mas antes ele humilha, onde ela continuou relatando que estava muito magra e pesava menos de 40kg estava cadavérica, careca e que vomitava toda a casa, e, que enfrentava 500km em uma ambulância sucateada para fazer o tratamento, ainda assim perguntou à médica, o que fazer? Neste momento a médica com olhar fixo em sua paciente respondeu que não sabia o que dizer, mas pediu pra ela se apegar em Deus e na fé.
Todos nós somos o somatório de muitas coisas que acontecem ao logo da vida. Saber se posicionar pelo melhor nem sempre é o mais fácil, mas é sim o correto a fazer para mantermos a nossa paz.
A empatia nos faz assimilar o melhor trato que podemos ter diante de cada situação e a nossa observação se apresenta ilibada, quando um humilha e quando o outro é humilhado. Nesta vida estamos de passagem e o tempo aqui é muito breve. Precisamos fazer o que é certo, não para agradar o outro, mas, primeiramente a nós mesmos, só assim nos tornarmos pessoas menos impacientes, menos cobradoras, menos orgulhosas e menos egoístas.
Se hoje somos atingidos por algo aparentemente estrangulador e triste, não esperemos no mal, mas confraternizemos na escolha de fazermos o bem a nós mesmos. Este bem é aquele de deixamos passar, de relevarmos e que escolhamos como aquele pobre morador de rua, que recebeu de um transeunte um saco cheio de lixo e o morador de rua o encheu de flores e retribuiu ao transeunte que o perguntou: porque você me deu estas flores e o morador de rua respondeu, cada um dá o que está cheio por dentro.
Vamos montar um depósito de amor constantemente em nosso coração, pois como disse Jesus: o céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão. Mt 24:35. Desta forma algum dia ainda viveremos o amor pleno aqui na Terra, pois tudo o que Jesus nos ensinou foi sobre o amor.
Hairon H. de Freitas
11/7/2019

Uma palavra ao coração!


Ninguém na terra sofre por querer, simplesmente estamos buscando a todo momento uma forma de entendermos a vida como ela se mostra.
O nosso querer nem sempre é percebido e as vezes nem sempre é correspondido, pois as nossas limitações e as nossas expectativas são enormes.
Aqui na terra vemos muitos tipos de sofrimentos diferentes, mas nunca ou quase nunca entendemos o porque de tanta dor sendo disseminada no planeta.
Mas, quando buscamos os nossos sentimentos mais profundos, aqueles que ficam esperando algum momento oportuno para se apresentarem, nos assustamos com a substancial presença desta força que movida como um vulcão vem causar mais dores ao mundo.
O ódio faz-se impregnado em todos que causam dores e o ressentimento e a mágoa transbordam sobre os que sofrem. É um misto indefinido de emoções que não podemos entender quando é um e quando é outro, pois, apesar de nomes diferentes, todos partem da mesma força.
Deus nosso Pai não gosta quando ferimos o outro, pois ele o ama profundamente, mas como ele ama o agressor também, então ele o corrige, pois todo pai e toda mãe precisam corrigir seus filhos para evitar mais dores no mundo.
A forma mais lúcida de vivermos bem é através do ensinamento do Mestre Jesus, quando nos disse muito sobre o amor, ensinando e exemplificando sempre.
Enquanto não acordarmos para o tratamento de nosso ódio, de nossa raiva, de nossa indignação, de nossa mágoa ou de nosso ressentimento, estaremos sintonizados com esta força danosa, a qual continuaremos realimentando-a e padecendo dos profundos sofrimentos.
Outra boa orientação deixada pelos grandes mestres é a prática da oração, da meditação e da autoanálise. Sabemos que dentro da nossa grande limitação, Deus nos convida a todo instante a cedermos de nosso orgulho, para que os nossos sentimentos de deixar passar e deixar ir estejam em nosso coração. Busquemos então o princípio de nossa cura com o maior psicólogo que existe, Jesus!
Hairon H. de Freitas

Estamos vivendo no olho do furacão!

Morning Calm Weekly Newspaper Installation Management Command, U.S. Army / Flickr
O momento é extremamente sensível, agitado, conturbado tanto no sentido físico quanto espiritual.
Tenho notado que muitas pessoas estão reagindo às intempéries da vida de forma passional elevada ao quadrado. É assim que estamos vivendo neste planeta, que vem passando por um momento onde se fazem necessárias correções em nosso proceder no sentido minucioso de que devemos praticar cada vez mais a tolerância.
Uma guerra não nasce do acaso ou é criada de forma instantânea. Para evidenciar uma guerra, notamos a destruição: dos lares, de vidas de entes queridos, de boas intenções, de fidelidade entre amigos e do bem estar, pois a maioria das pessoas começou a passar fome, medo, raiva e muita indignação.
Podemos considerar que estamos numa guerra espiritual sem tamanho. Após milênios continuamos agindo de forma grotesca, mesmo com tantas indicações de caminhos razoáveis, de medidas estáveis que nos foram trazidas através dos anjos, santos, bons espíritos, filósofos e missionários.
Pouquíssimas são as pessoas que se interessam em manter uma postura de autoavaliação e de autoanálise, uma postura descente para um mundo melhor, onde as pessoas se respeitem e vivam de forma simples sem ingressarem diariamente em contendas que só servem para afirmação do ego.
Quase nunca acertamos perfeitamente em todas as minúcias de nossas ações, mas sempre erramos feio quando instituímos a raiva e o medo como diagnóstico principal. Como dizia Albert Einstein: “Nós não podemos resolver um problema com o mesmo estado mental que o criou”.
No instante atual, nós precisamos nos dar uma oportunidade para agirmos de forma diferente daquela que viemos praticando ao longo de nossa vida. Esta oportunidade é conhecida como “renovação”, pois seremos pessoas melhores e não nos consideraremos pessoas que convivem com as famosas frases de impacto, provocadas pelo ego, como as seguintes: “Eu não levo desaforo pra casa” ou a outra frase “Você sabe com quem está falando?”
Somos bem assim, crianças mimadas e cheias de vontades impensadas e provocadoras de distúrbios. Mas eu acredito que estamos saindo desta fase infantil, quando provocamos em nós mesmos as perguntas e pontuações sobre as nossas atitudes e experimentações diárias. Para isso é de grande importância que busquemos os sábios através dos tempos e adotemos uma postura de respeito e de quase amor para com todos os que nos rodeiam. Saibamos que se hoje fomos ou somos agredidos é porque ainda nos encontramos na mesma faixa do agressor. Para que não nos sintamos acionados por medidas provocativas, elevemos o caráter de nosso parecer diante de todo o quadro que está sendo desenhado e em constante transformação.

Hairon H. de Freitas.

A pena!


Hoje um passarinho trombou na janela do nosso apto.
Foi um barulho forte, estrondoso. Eu estava falando com um amigo no telefone celular e ouvi um duplo impacto, parecendo serem dois passarinhos que voavam meio desligados de suas manobras em pleno voo. Poderiam estar buscando comida, namorando ou fugindo de algum inimigo alado.
Fui até a janela e abri uma das partes onde encontrei a pena que repousava sobre o peitoril, fiquei analisando os detalhes de uma enorme parte do passarinho. Pensei: “não importa a espécie e o grau de valorização dos ornitólogos ou criadores, o que importa é o reconhecimento da complexidade da formação desta pena, o valor que a mesma dá ao pássaro, facilitando o seu voo perfeito. O que importa mais ainda é que, ao abrir a janela, olhei para baixo e não encontrei traços de nenhum pássaro sobre o telhado da área privativa do prédio.
Fiquei imaginando que ele, ou eles podem ter se ferido e passam por dores, pelos abruptos impactos que poderiam, ou podem, não sei ao certo, levá-los a morte.
Por mais um momento fiquei a olhar a pena, senti-la em sua maciez, leveza e em sua forma, Concluí mais uma vez de que Deus existe e não há como ignorar o desenvolvimento de milhões e milhões de anos de uma espécie.
Deus é o Senhor da vida e nos concede o direito de viver a cada instante, a cada dia de nossa vida como motorista e observador de nosso próprio destino.
Valorizar a vida é estar com Deus e toda a sua criação, jamais podemos ignorar os animais e imaginarmos de bem com Deus.
Hairon H. de Freitas.