Sentir raiva!


Para um guru, a raiva é falta de treinamento anterior; para a ciência, a raiva envenena o nosso corpo e, para o esoterista, a raiva mancha o nosso astral e desequilibra os nossos chacras.
Sentir raiva não é e nunca foi bom para quem sente, nem para quem a provocou, já que energias ruins estão percorrendo o espaço de um corpo para o outro.
É muito importante mantermos o nosso centro de equilíbrio através do nosso propósito de dominarmos a nossa razão.
A raiva é a inconsciência;
A raiva é a ignorância agindo;
A raiva é o desequilíbrio.
A raiva foi muito importante no passado, especificamente na era puramente irracional e animal onde o homem primata corria pelos campos, tanto para se alimentar, quanto para fugir de outros animais.
Hoje precisamos acima de tudo, desenvolver e viver o equilíbrio em nós e não esperarmos que o tempo esteja perfeito lá fora, não fazendo frio ou muito calor, que as pessoas sejam sempre boas para conosco, que estejamos numa situação financeira perfeita e que nós mesmos e todos os próximos estejamos em uma condição saudável.
A nossa raiva não é uma entidade à parte, mas uma entidade pode ser atraída pela nossa sintonia, portanto é importante sabermos que tudo nasce primeiramente em nós mesmos. Todos nós somos o centro gerador de intenções que poderão ser benéficas ou causar malefícios em nosso campo energético.
A raiva só encontra espaço em nossa mente, em nosso padrão mental, pelo fato de não nos encontrarmos atentos ao que pensamos e sentimos, assim cedemos espaço para que a raiva assuma esta área que se encontra de certa forma vaga, sem intenções de reforma intima e sem foco para o equilíbrio.
Para iniciarmos o nosso tratamento, é de grande importância que exercitemos a todo instante a tolerância e estejamos atentos às situações que poderão nos atingir e despertar a raiva dentro de nós. É importante também procurarmos entender e até mesmo compreender melhor as grandes limitações que possuímos, pois nós mesmos despertamos a raiva em pessoas próximas e desavisadas, mesmo que não queiramos, simplesmente por um padrão energético diferente.
A raiva, enfim, é uma força grandiosa que precisa ser canalizada para a realização no bem e não para a destruição, pois o poder da destruição proporcionado pela raiva pode nos transformar em seres animalescos, aqueles produzidos pelo cinema hollywoodiano, seres que não pensam e que só agem pelo instinto predatório e impulsivo.
Ao longo do tempo identificamos os sentimentos que despertam a raiva, como a ansiedade de querer fazer algo mais rápido e a indignação de funcionário por um patrão que prometeu pagar por produtividade, mas que nunca recebeu o montante adequado; como, quando descalços, topamos com o dedo mindinho numa pedra ou deixamos cair a manteiga no chão limpo, enfim são infinitas situações e possibilidades que, com o passar do tempo, aprenderemos a contornar mantendo o foco no equilíbrio.
Contudo, a nossa mudança não é e nunca foi da noite para o dia. Sabemos que são muitas implicações, muitas observações e aplicações práticas que deverão ser analisadas e inseridas em nossos hábitos diários, e também cabe a nós a perseverança, pois estamos construindo um novo homem e uma nova mulher para o infinito!

Hairon H. de Freitas

Anúncios

Uma Linda Canção!

O ser humano é um imitador nato. Quando o cantor entoa esta linda canção, as pessoas demostram seu carinho através dos gestos e suas feições são modificadas pela graciosidade da canção. Que possamos transmitir o amor em nosso caminho até chegarmos ao ponto em que, até mesmo calados, sem dizermos nada, mesmo assim transmitiremos a paz e ela tocará os corações, podendo levar aos prantos. Somos seres sensíveis e podemos valorizar o amor, sempre o amor!
Hairon H. de Freitas

Créditos: Neste vídeo assistimos a apresentação do cantor Martin Hurkens!

Ensinamentos de Divaldo em seus 90 anos.

Fico sempre muito feliz ao ver e ouvir os ensinamentos de Divaldo Franco, fico feliz também por Haroldo Dutra estreitar a distância nos trazendo o presente de ouvir as palavras incentivadoras e elucidativas de Divaldo Franco.
Segue o vídeo: https://youtu.be/cynlHK_4KUs
Não deixem de assistir são lindas as palavras.

Nossos Sentimentos.

sentimentos

 

Sentimento, este é o nosso modo de vida, a nossa estratégia para alcançarmos algo que nos falta, algo novo que pode acontecer e que todos nós precisamos apreciar e habituarmo-nos a conter em nosso âmago.
O sentimento cresce para o bem quando nos determinamos a não esmorecer diante das limitações e dificuldades da vida, principalmente quando localizamos a nossa revolta e a nossa falta de compreensão para com as contingências usuais, determinadas por nossa própria maneira de viver.
O Sentimento é a nossa própria oportunidade para o controle total sobre os nossos pensamentos mais secretos, aqueles que vivem em nós e que fazem parte de nosso orbe, podendo ser um temor, uma angustia, uma alegria ou uma realização prazerosa.
Tudo isto nos dá forças ou mina toda a nossa energia, dependendo do caminho que seguimos e dos objetivos que almejamos.
Fato é que o controle está em nossas mãos e Deus está nos amando do mesmo jeito, apesar de, às vezes, as nossas escolhas serem impróprias para um futuro sadio.
Buscando novos pensamentos e imaginando: a benção dos anjos juntamente com a beleza das flores, dos raios do sol ao amanhecer, irradiante e magnífico. Sentindo o ar que penetra nossos pulmões renovando e oxigenando nosso sangue que é vida.
É este hábito que passamos aqui a apreciar e a fortalecer, pois ele vai nos propiciar um novo campo onde a grama se encontrará verde e orvalhosa.
Com certeza depende de nós buscarmos o melhor em nós mesmos e para isto podemos contar com as boas lições que o mestre deixou no sermão da montanha.
Muita Paz!
Hairon H. de Freitas.

Conte uma História

images

Todos nós precisamos aprender a contar histórias.

Todos grandes homens são bons contadores de histórias.

As histórias trabalham o nosso emocional, à medida que vamos contando uma história e principalmente se a mesma possui um embasamento, tudo vai sendo revelado, construído e sendo acabado com o melhor que existe em nossa consciência.

É mentira quem diz que não possui histórias para contar.

Não é verdade que uma pessoa que passe pela vida não possua coisas para contar, sobre suas aventuras e descobertas. Coisas que fizeram você tremer ou se alegrar, que o entristeceram ou que o fizeram acreditar.

Na vida todos temos oportunidades, se ontem fomos homens das cavernas, hoje já conseguimos curar diversas doenças e amanhã viajaremos para outros planetas.

A vida é uma evolução constante, nada é pra ontem, mas tudo é pra hoje. E uma das coisas que mais precisamos trabalhar neste momento é o desenvolvimento de nosso emocional.

Neste laboratório que permite o desabrochar e a revelação de uma consciência maior, encontra-se um homem intempestivo, ansioso e desacreditado de si mesmo.

Acredito que o homem precisa se encontrar, assim como a raposa encontrou com o pequeno príncipe, o qual, num ato de grande sabedoria, conseguiu esclarecer todas as ânsias do menino, representação da infância de nossas emoções.

Ainda temos dificuldades tremendas de nos auto-analisar sobre cada sentimento experimentado, mas de uma forma simples, somos capazes de descrever cada sentimento, se ele é bom ou ruim. Assim sendo, poderemos valorizar o maior número dos que nos permitem uma sensação mais agradável, mesmo que em diversos momentos precisemos dizer não, aguarde um momento, farei amanhã, et cetera e tal…

meditar

Considero que contar histórias é uma forma de trabalhar o nosso emocional, pois à medida que vamos contando, vamos experimentando novamente o que se passou, podemos interpor com a nossa consciência sobre uma solução final mais agradável que nos leve a perdoar ou a nos arrepender. É na verdade uma forma de terapia que os profissionais da área utilizam, conduzindo seus pacientes a uma atitude emocional mais equilibrada que almeja a perfeita paz de consciência.

Hairon H. de Freitas.

Yanni – Aria

“Aria” é vagamente baseado em uma peça curta, mas muito bonita.

Ópera francesa do século 19, Lakme, por Delibes Leo.

Yanni reviveu ARIA com muita paixão nesta produção maravilhosa na Acrópole.

O resultado é este ato fantástico para toda a nação grega e para o mundo!

Beethoven – Sinfonia n º 9 (10000 japonês)

Como é bom tirarmos um tempo para apreciarmos o que os grandes mestres da música trouxeram para nós, assim conseguiremos entender um pouco da proximidade de Deus para com o homem.

Esta obra nos traz uma parte técnica altamente rebuscada de uma primazia volitante.

Ela nos deixa extasiados com tanta beleza, comovendo-nos as lágrimas.

É grandioso este encontro de pessoas que levam na voz uma forma de cantar a Deus e mostrar ao homem que a sensibilidade transforma corações que se encontram em guerra.

Só o louco consegue ouvir uma sinfonia e desprezar a beleza que promove na formação do caráter.

Agradeço o canal que postou: mr23monkey

Hairon H. de Freitas