Algo sobre o momento de recolhimento que acontece em toda Terra.

O momento é de voltarmos para o coração.
O pior sentimento é o de que estamos traindo Jesus, o amado Mestre.
Precisamos buscar forças em nós, para entendermos a necessidade do momento, de participarmos da construção e da solidificação do amor em nós mesmos.
Não adianta imaginarmos uma Nova Terra, onde a tolerância, o amor, a paz e a saúde estejam reinando, se não solidificarmos estes sentimentos aqui e agora.
O momento é de difícil compreensão para todos nós que estamos sofrendo pela necessidade do recolhimento forçado, ocasião em que muitos estamos angustiados por uma diversidade de situações impostas pelo meio material e espiritual.
O amor precisa sobrepor-se nesse momento tão sensível. Precisamos ultrapassar as nossas limitações e buscar, dentro do nosso cadinho forjado pelo tempo, e que, por isso tornou-se imensamente resistente, aquela força que está escondida, envolta pelo medo e pela desesperança do instinto básico de sobrevivência, o sentimento de fraternidade que reconhece em todos os seres o irmão necessitado de atenção, de carinho e de amparo, seja ele emocional, espiritual ou material.
Nesse momento, estamos todos numa prova de fogo na qual precisamos continuar caminhando, apesar do medo, para acendermos a luz em nosso coração. Luz para brilhar um pouquinho mais em nossos pensamentos, emoções e atitudes.
Não podemos jamais nos esquecer do pedido de Jesus para todos que queiram colaborar com a obra do Pai, em Mateus 28:20, quando disse: “ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos”. Sendo assim, com o pouco de evangelho que já depositamos em nosso coração, com a esperança e a consciência de que não estamos desamparados, podemos agir de alguma forma no meio em que estamos. Temos consciência do muito que precisa ser feito, mas, dentro de nossas limitações, podemos fazer o pouco que nos cabe, como nos disse Madre Teresa de Calcutá: “O que eu faço é uma gota no meio de um oceano, mas sem ela o oceano será menor”.
Que Jesus, o amado Mestre, nos abençoe, sempre!
Hairon H. de Freitas

Cora Coralina – O que é viver bem!


Uma vez, um repórter perguntou à poeta Cora Coralina o que é viver bem. Ela lhe disse:

“Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice.
E digo pra você, não pense.
Nunca diga estou envelhecendo, estou ficando velha. Eu não digo.
Eu não digo que estou velha, e não digo que estou ouvindo pouco.
É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida. O melhor roteiro é ler e praticar o que lê.
O bom é produzir sempre e não dormir de dia.
Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima.
Eu não digo nunca que estou cansada.Nada de palavra negativa.
Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica.
Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio!
Sei que tenho muitos anos. Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha, não. Você acha que eu sou?
Posso dizer que eu sou a terra e nada mais quero ser.
Filha dessa abençoada terra de Goiás.
Convoco os velhos como eu, ou mais velhos que eu, para exercerem seus direitos.
Sei que alguém vai ter que me enterrar, mas eu não vou fazer isso comigo.
Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.
O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça.
Digo o que penso, com esperança.
Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.
Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.”

Cora Coralina

Falando com o coração – Amor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com Lú

O amor não acaba,
o amor só aumenta.
Experimente uma frase,
Espere mais e comente.

Seja velho, seja jovem,
Esqueça o tempo que passou.
O momento é agora,
Aproveite tudo com amor.

Não chore, não clame,
Seja firme, seja honesto.
Não viva mau seus sentimentos,
Aos restos estranhos, acalento.

Contudo o amor revigora,
Mesmo no atrapalho da hora,
Volta sempre sem demora.

O amor é sem fim,
É eterno em mim,
Consciente estou,
Quando estou com amor.

Hairon H. de Freitas
15/7/2019

O Auxílio Virá.


O problema que te preocupa talvez te pareça excessivamente amargo ao coração. E tão amargo que talvez não possas comentá-lo, de pronto.

Às vezes, a sombra interior é tamanha que tens a idéia de haver perdido o próprio rumo.

Entretanto, não esmoreças. Abraça o dever que a vida te assinala.

Serve e ora. A prece te renovará energias. O trabalho te auxiliará.

Deus não nos abandona. Faze silêncio e não te queixes.

Alegra-te e espera, porque o Céu te socorrerá. Por meios que desconheces, Deus permanece agindo.

Espirito Emmanuel – Chico Xavier

Você já se escutou hoje?

45
Você já se escutou hoje?
Que pergunta, hein?
Pois é, a nossa capacidade de escutar os outros passa primeiro pela acuidade de escutarmos bem a nós mesmos.
Normalmente, se pararmos um pouco, se tirarmos um tempo para nós mesmos, ouviremos: reivindicações, desagrados, dores e acima de tudo raiva, muita raiva.
Só que no dia a dia não nos ouvimos e passamos a vida carregando um sentimento impróprio, segundo a natureza de que Deus nos criou.
Nossa natureza é própria para a felicidade e para isso precisamos pensar os nossos sentimentos que podem estar carregados de uma emoção doente, impropria e insana.
Às vezes, quando nos escutamos, a emoção fala em: raiva, angústia, medo, depressão. Esses sentimentos acabam nos sintonizando com pessoas que alimentam este mesmo sentir, que por sinal é super inadequado.
Daí saímos pra rua, encontramos pessoas com este modelo e queremos discutir, ficamos ansiosos, tensos e queremos brigar, tudo isso por causa da sintonia.
É como se diz: você arruma a cama em que vai se deitar. Para evitar este tipo de situação, precisamos entrar em um acordo conosco mesmo, passarmos a perdoar e não guardarmos ressentimento, o que é extremamente nocivo ao nosso bem estar.
Muitas vezes ficamos esperando que alguém faça algo pra gente sem que a mesma tenha essa obrigação. Passamos a cobrar e ficamos magoados se a pessoa não faz. É uma das coisas que mais acontecem em nossa sociedade. Somos extremamente críticos e donos da verdade. Outras vezes assumimos a condição de inquisidor-mor, que gradua a crueldade dos castigos que passarão a vigorar a partir do momento em que a pessoa não atendeu às nossas insanas expectativas.
Quanta criancice de emoção, quanta infantilidade que carregamos, como, por exemplo, o sentimento medíocre de vítima. Passamos pela vida culpando Deus e o mundo pela nossa penúria.
Já passou da hora de assumirmos a nossa condição de maior idade e entendermos que a vida não foi feita para ficarmos reclamando ou nos passando por vítimas. A vida é boa pra se viver quando não pensamos em prejudicar outras pessoas, nem por pensamento; quando não ficamos criticando ou cobrando das pessoas o tempo todo, parecendo que somos seres perfeitos; quando entendemos a fragilidade pela qual todos passamos, pois somos humanos e vivemos num sistema de interação; quando enxergamos que o próximo também está à procura do melhor e merece respeito; quando não nos vitimamos; quando não ignoramos pessoas, sendo que as mesmas são a base para uma vida melhor e mais feliz; quando perdoamos os deslizes que a nossos olhos aconteceram.
A autoeducação é uma base que precisa ser consolidada e tornar-se cada vez mais forte. Precisamos nos escutar e captarmos nossas fraquezas, estudá-las e analisá-las por completo, perscrutando a nossa razão moral, que considero a lei básica e divina que possui a condição de nos educar.
Hairon Herbert de Freitas

Cora Coralina disse como envelhecer.

md.0000028583

 

Eu não tenho medo dos anos e não penso em velhice. E digo pra você: não pense. Nunca diga estou envelhecendo ou estou ficando velha.
Eu não digo. Eu não digo que estou ouvindo pouco. É claro que quando preciso de ajuda, eu digo que preciso.
Procuro sempre ler e estar atualizada com os fatos e isso me ajuda a vencer as dificuldades da vida.
O melhor roteiro é ler e praticar o que lê. O bom é produzir sempre e não dormir de dia. Também não diga pra você que está ficando esquecida, porque assim você fica mais.
Nunca digo que estou doente, digo sempre: estou ótima. Eu não digo nunca que estou cansada.
Nada de palavra negativa.
Quanto mais você diz estar ficando cansada e esquecida, mais esquecida fica. Você vai se convencendo daquilo e convence os outros. Então silêncio! Sei que tenho muitos anos.
Sei que venho do século passado, e que trago comigo todas as idades, mas não sei se sou velha não.
Você acha que eu sou? Tenho consciência de ser autêntica e procuro superar todos os dias minha própria personalidade, despedaçando dentro de mim tudo que é velho e morto, pois lutar é a palavra vibrante que levanta os fracos e determina os fortes.

O importante é semear, produzir milhões de sorrisos de solidariedade e amizade.
Procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça.
Digo o que penso, com esperança. Penso no que faço com fé. Faço o que devo fazer, com amor.
Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende.” 

CORA CORALINA (poeta goiana que viveu até 95 anos)

Racionalizando o Amor

img014

O amor é o amor, a própria palavra criou a entoação mântrica de grande poder e ele vem se revelando em nossa convivência e no desejo do melhor para o outro.

O amor é a garantia de que seremos amanhã melhores que hoje.

Ele se dá sem exigência e sem garantia, pois ele é o verdadeiro poder que garante o envolvimento.

Ele não reage, mas age modificando o quadro.

Ele não é passivo, mas atuante e presente.

Ele não reclama, mas proporciona o intercâmbio de forma ativa e mútua.

Ele não está ali ou acolá, mas está dentro de nós, em nossa proposta de vida, em nossa vontade de tornarmo-nos melhores a cada instante.

Não existem tipos de amor, ele é do jeito que é, simplesmente amor, em intensidades diversas.

O amor é a força de viver, sem medos ou recalques.

O amor é ser livre, é ser liberto de toda trama.

O amor somos nós, que procuramos vivê-lo e compreendê-lo.

***************************************************************************************

Em todo momento colocamos em nossa vida obstáculos ao amor.

Queremos amar, mas procuramos o medo para nos acompanhar, a dúvida para nos orientar, o pensamento negativo para nos intuir, o orgulho e a má querência para agir.

Em toda situação na vida o importante é evitarmos estes sentimentos, pois os sentimentos estão intimamente ligados ao pensamento.

O importante é que estamos à procura do mesmo objetivo, o de amar.

Isto é progresso.

O que precisamos é compreendê-lo e quanto mais cedo melhor.

Entendemos que amor não está na caixa de presentes, mas em cada ato de carinho que desperta de nosso coração.

O amor está no hoje!

Hairon H. de Freitas